quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

Brasil: Sema e Brigada Militar iniciam primeiro curso de Guarda-Parques

Teve início na tarde de ontem (29), no Centro de Visitantes do Parque Estadual de Itapuã, em Viamão, o primeiro curso de formação de guarda-parques do Estado, promovido pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), em parceria com a Brigada Militar.
O curso será realizado em três módulos, envolvendo os servidores guarda-parques da Sema, com aulas teórico-práticas e de emprego de arma de fogo. Esta primeira turma terá aulas até o dia 24 de outubro, a segunda turma será realizada de 3 a28 de novembro e a terceira de 16 de março a 10 de abril de 2015.
A abertura da formação teve as presenças do secretário adjunto do Meio Ambiente, Luís Fernando Perelló, do comandante do Comando Ambiental da Brigada Militar, coronel Ângelo Antônio Vieira da Silva, do guarda-parques da Sema e secretário executivo da Associação dos Guarda-Parques do Estado, Alexandre Gomes, com uma aula inaugural com o professor Demétrio Guadagnin, do Departamento de Ecologia da Ufrgs, que abordou o tema “gestão de áreas protegidas”.
Na ocasião, o coronel Ângelo destacou a importância da parceria entre as duas instituições na promoção do curso, visando à qualificação dos guarda-parques e a necessidade da criação de uma escola estadual ambiental envolvendo várias instituições do Estado.
Já o secretário adjunto da Sema, Luís Perelló, afirmou que a formação dos guarda-parques é uma das prioridades da Secretaria pelo seu papel na manutenção e conservação das unidades de conservação. Ele resgatou a história do processo de formação do curso e o empenho das instituições para que se tornasse realidade.
O curso de formação de guarda-parques será ministrado por instrutores da Sema e da Brigada Militar e será realizado de segunda à sexta das 8h30 às 18h, no Centro de Visitantes do Parque Estadual de Itapuã, em um total de 180 horas de aulas teóricas, mais uma semana de treino de tiro, no mês de dezembro.
Texto: Assessoria de Comunicação
Edição: Redação Secom
FONTE: http://www.rs.gov.br/conteudo/204970/sema-e-brigada-militar-iniciam-primeiro-curso-de-guarda-parques-no-rs

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Os admiráveis gorilas-de-montanha de Uganda protegidos pelos Guardaparques

Estou em uma floresta densa, cercado por todo tipo de verdes. Raízes tentam agarrar meus pés, cipós e trepadeiras se enroscam em meus braços. As plantas parecem impedir que eu entre no território reservado. “Esse é um dos piores trechos da caminhada”, diz Godfrey Binayisa, ao ouvir meus sussurros de aflição; o guarda-parque continua a abrir caminho com o facão, desbravando a floresta. “Só falta meia hora para chegar ao destino.”
Além da luta contra a vegetação, agora tenho novo desafio: a trilha se torna íngreme. Checo o altímetro e estamos a 2.200 metros de altitude, 350 metros acima do lugar de onde partimos. Oxigênio, onde está você? O caminho também está mais escorregadio. Agarro uma raiz que deveria estar presa, meu sapato resvala e calça e mãos tomam mais um banho de lama.
A denominação do local explica a aventura. Estamos na Floresta Impenetrável Bwindi. Sim, o nome oficial inclui o adjetivo “impenetrável”. Quase uma redundância, pois Bwindi, em idioma Bakiga, significa tenebroso. A selva fechada e escura guarda um dos principais tesouros de Uganda: cerca de metade da população de gorilas-das-montanhas do mundo, estimada em 2010 em mais de 700 animais. Bwindi é parque nacional desde 1992 e Patrimônio Mundial desde 1994.
Completamos 2h30 horas de esforço quando, do meio do mato, surgem três vultos quase tão tenebrosos como a floresta. Um deles carrega um AK-47. Quando vejo os outros dois homens, fico mais tranquilo: suas armas são um rádio e um GPS. Binayisa nota meu espanto e explica que os três guardas trabalham para o parque. Saíram em busca do grupo de gorilas duas horas antes de nossa partida. Como de costume, os rastreadores foram ao local onde os animais passaram a noite anterior. Os primatas acordaram, fizeram sua primeira refeição e começaram a se movimentar em busca de outros alimentos – sua dieta vegetariana é composta por mais de 60 tipos de plantas e um adulto pode comer 20 quilos de folhas por dia. Os três pares de olhos seguiram o grupo e os guardas sabem agora exatamente onde os animais estão. Estamos prontos para ver os primatas cara a cara.
O guarda-parque lembra as regras do jogo. Manter uma distância mínima de sete metros dos animais. Não fotografar com flash. Não espirrar ou tossir perto dos primatas para que não sejam contaminados. Se algum gorila vier em nossa direção, não olhar diretamente nos olhos dele, baixar a cabeça e seguir as instruções dos guarda-parques. “Teremos uma hora com eles”, afirma Binayisa.
Deixamos a trilha e adentramos o mato dito impenetrável. Depois da caminhada final, exaustiva, nossa recompensa está prestes a acontecer. O guarda que lidera a fila se detém, ergue a cabeça e aponta para uma árvore. A uns dez metros de altura, bem encaixado entre dois galhos, um jovem gorila retira cuidadosamente tufos de musgo da casca e os mete na boca.
Começamos o frenesi fotográfico: apontamos nossas lentes em direção ao primata e disparamos dezenas de imagens em poucos segundos. Nossa presença – e até mesmo a metralhadora de cliques – não interfere na atividade principal do gorila: comer. Mesmo consciente de que está sendo observado, o animal não olha em nossa direção. É como se não existíssemos.
“Os gorilas do grupo Nshongi habituaram-se aos seres humanos há pouco tempo”, diz Binayisa. “Foi um processo lento, que demorou dois anos, com a visita diária de um guarda-parque ao grupo. Depois de acostumados, eles perdem o medo, já não nos consideram como perigo e permitem nossa companhia.”
Até 2011, 123 gorilas-das-montanhas foram habituados à presença humana em Bwindi. Estão divididos em sete grupos – seis deles podem ser visitados por turistas e um está reservado para os pesquisadores. O grupo Nshongi foi um dos últimos a ser habituado aos seres humanos e recebe visitantes desde setembro de 2009.
Binayisa faz um sinal para prosseguir. A poucos metros, encontramos um dos machos adultos, o chamado silver back, o dorso prateado. Ele está sentado no chão, dentro da mata e come passivamente suas folhas preferidas.
Em Bwindi, o grupo Nshongi possui o maior número de indivíduos. Na ocasião, são 34 animais de idades variadas. Ao contrário de outros, o clã contém três machos adultos silver back. “Os três machos convivem em harmonia e sem conflitos, pois dois deles reconhecem a liderança do mais velho”, diz um dos guardas que segue os animais há quatro anos. “É também o grupo com a maior quantidade de bebês neste ano. As oito fêmeas cuidam de oito filhotes com menos de quatro anos.
Os números são positivos. Em 2006, a população de Nshongi era de 26 animais. O censo realizado quatro anos mais tarde, que coincide com o período reprodutivo de uma fêmea gorila, mostrou um crescimento de 30%. Binayisa explica que essa taxa não pode ser extrapolada para outros grupos, pois depende do número de fêmeas de cada bando. O primeiro censo em Bwindi computou 270 animais em 1987. Em 2003, o número saltou para 320 e, em 2006, para 340. O censo de 2010 revelou um número superior a 360 indivíduos. Os números de 2014 ainda não estão disponíveis.
Uma fêmea muda de posição e se senta no chão, a 10 metros de onde estou. Ela tem à frente um conjunto confuso de plantas trepadeiras. Com serenidade, ela separa e desembaralha os ramos que são levados à boca. O ritual pacato simboliza a docilidade e a ternura desses primatas. Passo longos minutos com a teleobjetiva enfocada no rosto dela e consigo notar uma ternura em seu olhar.
“Precisamos voltar. Já estamos aqui a 65 minutos”, avisa Binayisa. Clico as últimas imagens. Estou muito feliz: que sensação extraordinária ter conseguido ver os maravilhosos primatas de tão perto!
FONTE: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/viajologia/noticia/2014/09/bmil-palavrasb-sobre-os-admiraveis-bgorilas-de-montanha-de-ugandab.html

Costa Rica: Guardaparque pierde dedo en ataque de cazadores

Un guardaparque identificado como Antonio Ezeta, funcionario de la Organización de Estudios Tropicales (OET) sufrió la amputación de uno de sus dedos, luego de que se enfrentó con dos presuntos cazadores en la montaña.
El ataque ocurrió la tarde de ayer, dentro de una reserva biológica situada en Flaminias, dos kilómetros antes de Puerto Viejo de Sarapiquí, después de que Ezeta divisó a los sospechosos. Dos de ellos fueron detenidos por la Policía.
En apariencia, uno de los sujetos arrestados se contra el guardaparques con un machete en mano y le provocó la amputación, así como otras heridas menores.
Otro hombre, cuya identidad no trascendió, presentaba un balazo en un pie, confirmó la Cruz Roja de Puerto Viejo. Fue trasladado al hospital San Vicente de Paúl.

sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

Guardaparques: 100 años Conservando el Patrimonio Natural de Chile (1914-2014)

GUARDAPARQUES EN CHILE: 100 AÑOS
El Centro Cultural La Moneda, junto al Ministerio de Agricultura y la Corporación Nacional Forestal (CONAF), presentan el montaje fotográfico Guardaparques: 100 años Conservando el Patrimonio Natural de Chile (1914-2014), una exposición que reúne el trabajo colectivo de 4 autores chilenos sobre el resguardo de nuestro patrimonio natural y que celebra el centenario de los guardaparques en nuestro país.
En 1914 el Gobierno de Chile contrató al primer guardaparques, dando inicio a un rubro que se destaca por su noble misión ante el resguardo de nuestra riqueza natural y cultural. Hoy celebramos sus 100 años de existencia con una gran exposición fotográfica.
Guy Wenborne, Augusto Domínguez, Claudio Almarza y Farlane Christie Browne, registran y retratan la admirable labor de los guardaparques a través de un montaje fotográfico colectivo llamado, Guardaparques: 100 años Conservando el Patrimonio Natural de Chile, 1914-2014.
La muestra permanecerá abierta a todo el público en el Nivel -1 del Centro Cultural La Moneda, desde el lunes 22 de septiembre hasta el 15 de octubre de 2014. La entrada es liberada ¡Los esperamos!

VITÓRIA merecida e justa dos Guardaparques do Brasil


Após protesto, guarda-parques terão curso de qualificação a partir da próxima semana
Categoria acampou por quatro dias na Praça da Matriz
Depois de quatro dias acampados na Praça da Matriz, na semana passada, os guarda-parques lotados na Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) garantiram, para 29 de setembro, o início de um curso de formação. Conforme um dos líderes do movimento, Luciano Menezes, os servidores foram recebidos ontem na sede da Pasta e já com a autorização para que PMs do Batalhão Ambiental sejam contratados para ministrar as aulas.
Menezes disse acreditar que o curso só saiu do papel porque houve pressão. Segundo o servidor, 35 dos 39 guarda-parques participaram do acampamento e os outros quatro só não aderiram ao manifesto por estarem em férias ou em licença saúde. A autorização para o curso foi publicada, ainda ontem, no Diário Oficial do Estado.
Há quase dois meses, o governo havia prometido o curso de formação para a primeira quinzena de setembro, o que não se confirmou, gerando a mobilização. Os servidores dizem, ainda, exercer o trabalho sem os equipamentos necessários e pagar as armas utilizadas com dinheiro próprio.

Fonte: Voltaire Porto/Rádio Guaíba

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Portugal: Activistas espanhóis "ocupam" Selvagens em protesto

Um dia agitado nas Selvagens, território habitualmente silencioso. Um grupo de militantes desembarcou na ilha, hasteou a bandeira espanhola e quer falar com as autoridades portuguesas. A Marinha na Madeira já enviou um navio para controlar a situação.
Um grupo de militantes espanhóis da Alternativa Nacionalista Canária (ANC) está nas Ilhas Selvagens desde segunda-feira num protesto pela reivindicação de soberania sobre o arquipélago português e contra as possíveis explorações petrolíferas na zona.

Segundo a agência Lusa, o grupo hasteou uma bandeira espanhola e exige falar com autoridades portuguesas.

"Somos independentistas. O tema das Selvagens tem que ser resolvido com Portugal. Temos que aplicar a lei do mar e traçar uma linha mediana com a Madeira, o que colocaria as Selvagens em águas das Canárias. Tal como o fazemos com as linhas medianas com Marrocos", afirmou Pedro Gonzalez, porta-voz da ANC, à agência Lusa.

Gonzalez explicou, contudo, que a acção não pretende “abrir qualquer conflito com Portugal” - que tem a soberania sobre as Selvagens - mas antes “sensibilizar os portugueses para o problema das prospecções petrolíferas.”

Marinha atenta
A Marinha na Madeira vai enviar um navio ao arquipélago para verificar os contornos do protesto.

"A unidade naval atribuída ao comando da Zona Marítima da Madeira já está a preparar-se para largar e ir para o local, para verificar o que se está a passar, acautelar alguma segurança que seja necessária, garantir e perceber o que se está a passar", disse Félix Marques, comandante da Capitania do Porto do Funchal.

Félix Marques acrescentou ainda que os vigilantes da natureza, que estão ao serviço do Parque Natural da Madeira, naquele território, "comunicaram a presença de dois espanhóis das Canárias que terão efectuado uma acção de protesto, içando a bandeira de Espanha no local". O comandante adiantou que já comunicou a situação ao chefe de Estado-Maior da Armada.

O responsável salientou que "nada impede, com autorização do Parque Natural, que as pessoas possam desembarcar e visitar a ilha", mas que neste caso o desembarque aconteceu na segunda-feira. Os espanhóis fugiram "ao controlo" dos vigilantes.

Discórdia entre Portugal e Espanha
O facto de estas ilhas se encontrarem mais próximas do arquipélago das Canárias do que do da Madeira (165 quilómetros a norte das Canárias e a 250 quilómetros a sul da cidade do Funchal) tem provocado alguma discórdia entre Portugal e Espanha.

Em Setembro do ano passado o Governo espanhol enviou uma carta às Nações Unidas, na qual questionava a jurisdição do arquipélago e considerava as Selvagens não como ilhas, mas como rochedos, o que significaria uma redução substancial da Zona Económica Exclusiva portuguesa.

Uma semana depois Portugal contestou o documento, explicando que a "plataforma continental portuguesa além das 200 milhas náuticas na região Leste, para Oeste do arquipélago da Madeira, constitui o natural prolongamento do território da ilha da Madeira e do território de Portugal Continental", portanto, assim assumindo que as Selvagens são portuguesas.

Fonte: Rádio Renascença

segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Brasil: Guarda-parques manifestam-se pelo direito à formação

Guarda-par​ques só sairão da Praça da Matriz com curso de formação
É o que garante grupo acampado desde segunda-feira no local
Os guarda-parques da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) seguem acampados, na Praça da Matriz, em frente ao Palácio Piratini. Já é o terceiro dia de mobilização para exigir um curso de formação. A queixa é de que houve a promessa da qualificação por parte do governo. Há sete anos em atividade, os servidores dizem não ter recebido nenhuma instrução técnica inerente às funções. Um dos líderes do movimento, Luciano Menezes, garante que os trabalhadores não vão levantar acampamento até que haja uma sinalização positiva.
“Estamos ansiosos, ontem, houve movimentação de dirigentes da Sema na Casa Civil e imaginávamos que teríamos uma resposta. Nós protestamos dentro da legalidade, alertamos que iríamos nos mobilizar e só vamos sair daqui direto para o curso”, adiantou.
Segundo a categoria, há, hoje, 39 guarda-parques em atividade e 53 vagas em aberto no Rio Grande do Sul. Eles entendem que o número é pequeno para cerca de meio milhão de hectares, nas 23 unidades estaduais de preservação ambiental. Dizem, também, que o governo anunciou o início do curso para 15 de setembro, o que não se concretizou.
Os servidores também exigem armas de fogo e equipamentos de proteção pessoal como colete balístico. Segundo eles, criminosos ambientais, como caçadores e extratores, frequentemente agem armados e os guarda-parques, em alguns casos, se defendem com armamento próprio.
Alexandre Gomes, secretário da Associação da categoria, destacou que no Parque Estadual do Turvo, em Derrubadas, a troca de tiros é diária. Ele lembrou que os criminosos não temem assassinar um guarda-parque e lembrou que o crime de homicídio é diferente do ambiental, que não prescreve e é inafiançável.
Fonte: http://www.radioguaiba.com.br/noticia/guarda-parques-so-sairao-da-praca-da-matriz-com-curso-de-formacao/

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

URGENTE: Companheiros! Por favor assinem esta petição!

Dear fellow rangers:
The Italian Rangers need our help!  Please consider signing this petition at Change.org to support their work and fight against the ranger force being eliminated in Italy:
http://www.change.org/it/petizioni/matteo-renzi-no-alla-soppressione-del-corpo-forestale-dello-stato?recruiter=134226290&utm_campaign=signature_receipt&utm_medium=email&utm_source=share_petition

Thank you!
Kind regards,
Luis Santamaria
http://www.change.org/it/petizioni/matteo-renzi-no-alla-soppressione-del-corpo-forestale-dello-stato?recruiter=134226290&utm_campaign=signature_receipt&utm_medium=email&utm_source=share_petition

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

Sabino Medellín: Muchas veces mi vida ha estado en peligro

Sabino Medellín: “Muchas veces mi vida ha estado en peligro por cuidar el parque Amboró”

La falta de recursos para equipar y aumentar el número de guardaparques es una ventaja para los madereros. Solo 13 personas cuidan 442.500 hectáreas
Es el guardaparque más antiguo del Amboró, es su guardían desde hace 24 años. Nació en San Juan del Potrero, provincia Manuel María Caballero. Con sus 71 años de vida es un caminante incansable.
¿Cuándo y cómo acepta el trabajo de guardaparque? 
Era dirigente de San Juan del Potrero y estábamos enfrascados en una lucha contra los madereros, cuando en 1990 la FAN (Fundación Amigos de la Naturaleza) pide dos personas para que trabajen como guardaparques, mis compañeros dieron mi nombre. Comencé ganando Bs 400. 
¿Cómo es el día a día de un guardaparque? 
Nosotros no manejamos armas, solo un machete, una libreta y  caminamos todo el tiempo. Yo camino seis horas diarias para ir de un pueblo a otro. No me gusta seguir las sendas hechas, me interno en la selva, me gusta explorar. Nuestra tarea es cuidar la naturaleza y hacemos lo mejor que podemos con lo que tenemos. 
¿Cómo se organizan para evitar la tala de árboles?
En los patrullajes participamos los 11 guardaparques que tiene el Amboró, porque los madereros ya se han hecho mañudos y son peligrosos, inventan nuevas formas para esconder la madera, ahora es en el agua, hay que sumergirse en pozas profundas.
¿Ha recibido amenazas? 
¡Cuántas veces! Le voy a dar un ejemplo, una vez me pasaron el dato que en Pulquina (Comarapa) mataron a un oso jucumari; sin pensarlo dos veces me fui y lo encontré. Estaban solo los restos del animal. Una autoridad estaba involucrada en eso y me sentenció a muerte.
¿Encontró fabricas de drogas alguna vez? 
Sí, y me salvé de milagro junto a otro camarada. Estábamos caminando cuando nos entramos de repente con una fábrica, nos pillaron, nos encañonaron, pero me di modos para convencerlos de que nos liberen.
¿Qué hace falta para cuidar mejor el Amboró? 
Nuestros campamentos están hechos pedazos, no tenemos vehículos, al parque no le entra plata. Necesitamos más guardaparques, 11 no abastecemos para cuidar miles de hectáreas.
¿Cómo resume sus 24 años al servicio del parque? 
Es lo mejor que me ha podido pasar. Tal vez he perdido la posibilidad de hacer dinero si me hubiera dedicado a otra cosa, pero sé que mi trabajo es para el bien de los bolivianos 
Fonte: Nelfi Fernández Reyes/Boletin ANPs y Guardaparques

56 guardaparques perdieron la vida en cumplimiento del deber



El número creciente de muertes de guardaparques exige leyes más estrictas
Siendo los cazadores furtivos responsables de más de la mitad de las muertes de guardaparques en los últimos dos años, la UICN, Unión Internacional para la Conservación de la Naturaleza, y la Federación Internacional de Guardaparques (IRF) instan a tomar medidas más enérgicas contra la delincuencia relativa a la vida silvestre en el mundo entero, en oportunidad del Día Mundial del Guardaparque que se celebra el 31 de julio en todo el mundo.
En los últimos doce meses, 56 guardaparques perdieron la vida en cumplimiento del deber, y 29 de ellos fueron víctimas de cazadores furtivos, según las últimas informaciones que publica hoy la Federación Internacional de Guardaparques, que sigue las muertes de guardaparques desde el año 2000. El año pasado, la cifra total de víctimas fue de 102, siendo los cazadores furtivos y las milicias responsables de 69 de dichas muertes.
Habida cuenta de que se registran nuevas muertes cada semana y que las cifras representan sólo muertes confirmadas en unos 35 países que informan voluntariamente a la Federación Internacional de Guardaparques, el número real de guardaparques caídos en cumplimiento del deber en el mundo podría alcanzar el doble o triple de dicha cifra.
“Los guardaparques son los custodios de las riquezas naturales más valiosas de nuestro planeta, y es inquietante observar que al ir a trabajar cada día, arriesgan la vida a causa de la codicia y la crueldad humana”, dice Julia Marton-Lefèvre, Directora General de la UICN. “Sin una sólida protección, unas medidas adecuadas para asegurar que se cumpla la ley y una fuerte red de apoyo para estos héroes desconocidos, nuestros esfuerzos por proteger de la vida silvestre serán una causa perdida. Toda acción de conservación debe empezar apoyando a aquellos que arriesgan su vida cada día para proteger la naturaleza”.
Casi el 60% de los guardaparques muertos este año son del continente asiático, encontrándose la mayoría de la India. En la India, Tailandia, Kenya y la República Democrática del Congo (RDC) se ha observado el mayor aumento de muertes de guardaparques causadas por los cazadores furtivos en los últimos años. Las zonas donde hay marfil, cuernos de rinoceronte, sándalo, palisandro y otros recursos valiosos son las más afectadas. En el Parque Nacional de Virunga (República Democrática del Congo) solamente, han perdido la vida unos 140 guardaparques en los últimos 15 años.
“Estamos sumamente preocupados por el alto nivel de violencia persistente y por el incremento alarmante del número de muertes de guardaparques,” dice Sean Willmore, Presidente de la Federación Mundial de Guardaparques. “Si bien el mundo empieza a tener conciencia de esta trágica situación, dicha conciencia debe traducirse en acciones de terreno eficaces, y debemos velar por que el peligroso trabajo que hacen los guardaparques para proteger nuestra valiosa vida silvestre reciba el apoyo y respeto que merece. Esto sigue siendo un reto al que debemos responder.”
La Federación y su brazo de beneficencia, “The Thin Green Line Foundation”, proporcionan equipos y formación a los guardaparques y apoyo a las familias de los que han perdido la vida, ayudando a brindar atención médica, educación y empleo a sus viudas e hijos.
“La Federación Internacional de Guardaparques ha desempeñado un papel crucial para suministrar a los guardaparques el apoyo que necesitan para hacer su trabajo, que es actualmente una de las profesionales más peligrosas del mundo,” dice Trevor Sandwith, Director del Programa Mundial de Áreas Protegidas de la UICN. “Debemos hacer que este apoyo cuente con un fuerte respaldo de los gobiernos y de la comunidad internacional, y que se promulgue legislación más eficaz para evitar nuevas tragedias. También se deben tomar medidas para resolver el problema en su origen, puesto que se deriva de la demanda de los consumidores.”
En Sudáfrica, que perdió más de 1000 rinocerontes en 2013, un cazador furtivo de rinocerontes fue condenado recientemente a 77 años de cárcel, probablemente la pena más alta impuesta hasta la fecha en materia de delincuencia contra la fauna y flora silvestres.
El alcance e impacto del comercio ilícito de fauna y flora silvestres y los nuevos enfoques para luchar contra él, incluyendo estrategias eficaces de represión de la caza furtiva de fauna silvestre y otros delitos conexos, se examinarán en el Congreso Mundial de Parques de la UICN 2014, que tendrá lugar en Sídney, Australia, del 12 al 19 de noviembre.
• Más de 1000 guardaparques han perdido la vida y muchos más han sido heridos en los últimos 10 años.
• Un número récord de 1004 rinocerontes fueron cazados en 2013 en Sudáfrica, que alberga el 83% de los rinocerontes de África. Se realizaron el mismo año 343 arrestos relacionados con actos de caza furtiva.
• Más de 20.000 elefantes fueron cazados de forma ilícita en África el año pasado solamente.
• El aumento en el número de gorilas de montaña se debe directamente a los guardaparques de Uganda, la RDC y Ruanda, que arriesgan sus vidas para asegurar la supervivencia de esta especie En Peligro Crítico de extinción.
• Los guardaparques de la comunidad Maasai de Kenya han contribuido a que la población local de leones en sus territorios comunitarios aumente de apenas 6 individuos a más de 70.
Se desarrollan numerosos eventos en el mundo entero para celebrar el Día Mundial del Guardaparque, incluyendo entre otros lugares Sudáfrica, Australia y Tailandia. Se han recibido mensajes de apoyo a los guardaparques de todas partes del mundo, entre otros de S.A.R. el Príncipe Guillermo, Duque de Cambridge, y de su S.A.S. el Príncipe Alberto II de Mónaco.
Para descargar un kit electrónico con los mensajes de S.A.R. el Príncipe Guillermo, Duque de Cambridge, de S.A.S. el Príncipe Alberto II de Mónaco, de la Dra. Jane Goodall, y la Lista de Honor de los Guardaparques caídos este año, haga clic aquí.
En el Congreso Mundial de Parques de la UICN 2014 en Sídney, tendrá lugar una serie de debates a la hora de mayor audiencia, los Diálogos de los Líderes Mundiales. Estos incluirán una sesión denominada “La naturaleza del crimen”, en la que se examinarán diversas estrategias eficaces para hacer cumplir la ley y combatir la caza furtiva y otros delitos conexos.

En este Diálogo participarán el Presidente de Gabón, Ali Bongo Ondimba, el Ministro de Medio Ambiente de Australia, Greg Hunt, el Secretario General de la CITES, John Scanlon, la Directora de la Agencia de Investigación Ambiental, Mary Rice, y el Presidente de la Federación Internacional de Guardaparques, Sean Willmore, y actuará como moderador el premiado periodista keniano Jeff Koinange.
Fonte: UICN

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Guarda-Parques Argentinos visitam Parque Nacional Iguazú (Brasil)


Visita proporcionou troca de experiência entre servidores do ICMBio e Guarda-Parques Argentinos.
No dia 5 de Julho, analistas ambientais do ICMBio receberam e apoiaram a visita de Guarda-Parques Argentinos no Parque Nacional do Iguazú. Provenientes de diversas áreas protegidas, dentre elas os Parques Nacionais Los Glaciares, Tierra Del Fuego e Iguazú, a ideia foi incentivar a visitação na Unidade de Conservação (UC) durante período da Copa do Mundo no Brasil.
A Argentina é modelo na política de formação de Guarda-Parques, servidores que atuam nas distintas actividades de gestão de suas UCs, protecção, educação ambiental, pesquisa e atendimento ao público nas áreas de visitação. A visita se deu em retribuição a outra realizada por servidores do ICMBio ao Parque Nacional Iguazú, visando conhecer a estrutura e os procedimentos com a visitação desse Parque, bem como trocar experiências com os servidores daquele país.
O Parque Nacional Iguazú limita-se com o Parque Nacional do Iguaçu por cerca de 70 km ao longo do Rio Iguazú. Ambos compõem, junto com o Parque Provincial Uruguai e outras unidades do Corredor Verde Missioneiro, mosaico de mais de 600 mil hectares em áreas protegidas, salvaguardando importantes fragmentos de florestas subtropicais e grande quantidade de espécies a essas associadas, muitas ameaçadas de extinção, como onça-pintada e gavião-real.
Fonte: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/downloads/icmbioemfoco303.pdf

sexta-feira, 18 de Julho de 2014

O homem que comprou um Zoológico visitou o Projecto MedWolf


O homem que comprou um Zoológico visitou o Projecto MedWolf, na Guarda (Portugal)


Em 2011, o mundo descobriu uma família que mudou radicalmente de vida ao adquirir um Zoo. O filme "Comprámos um Zoológico", com Matt Damon e Scarlett Johansson, (<http://en.wikipedia.org/wiki/We_Bought_a_Zoo>) popularizou uma história verídica, que teve Benjamin Mee e a sua família como protagonistas. Em 2005, lançaram-se na aventura de recuperar o Zoo de Dartmoor, contra todas as indicações do bom senso e desafiando uma série de contrariedades, incluindo uma infestação de ratos e a fuga de um perigoso jaguar.
<http://www.telegraph.co.uk/culture/film/9108388/We-Bought-a-Zoo-the-true-story-behind-the-film.html>.
Benjamin Mee deslocou-se a Portugal na semana passada, filmando, com os seus filhos, um documentário para a BBC. Este tem como foco o lobo ibérico — recém-chegado ao Zoo de Dartmoor.
Depois de visitar o Centro de Recuperação do Lobo Ibérico, actualmente em campanha para adquirir os seus terrenos, a equipa de filmagens deslocou-se a Almeida, no distrito da Guarda, para conhecer in loco as terras portuguesas do lobo e o Projecto LIFE MedWolf — presentemente no terreno em Castelo Branco e na Guarda com o objectivo de diminuir os conflitos entre o Homem e o lobo.
Numa exploração pecuária em Malhada Sorda, recentemente atacada por lobos, a família Mee conheceu um dos cães de gado do Projecto, uma Serra da Estrela de três meses. A empatia criada com a cadela foi tal que Mee se declarou de imediato interessado em criar Cães da Serra da Estrela, colaborando com o Projecto MedWolf.
Fonte: Grupo Lobo

terça-feira, 15 de Julho de 2014

Acção humana acelera em mil vezes a extinção da biodiversidade

Acção humana acelera em mil vezes a extinção da biodiversi​dade em todo o mundo.
Estudo publicado na Revista Science por professor visitante da ESCAS/IPÊ aborda o índice elevado de desaparecimento de espécies e fala como as novas tecnologias podem tornar a conservação delas mais eficientes.
As acções humanas estão levando a extinção de espécies a um índice alarmante. O desaparecimento de biodiversidade global é mil vezes mais veloz do que se ele acontecesse naturalmente, sem o impacto do homem. A taxa é muito maior do que a estimada anteriormente, em 1995, que era de 100 vezes (Pimm, Stuart L., et al. "The future of biodiversity." SCIENCE (1995): 347-347). Esta é uma das conclusões de um artigo recém-publicado pela Revista Science, que tem Clinton Jenkins como co-autor. Jenkins é professor visitante da ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade do IPÊ. Nove pesquisadores assinam o artigo, que também afirma que o mundo precisa encontrar nas novas tecnologias um meio de frear esse desaparecimento de espécies. Caso contrário, nesse ritmo, o planeta poderá passar por sua 6ª extinção em massa.
Segundo o artigo, as novas tecnologias podem ser usadas para traçar políticas e estratégias mais eficientes para conservação de espécies, porque ajudam a facilitar as tarefas de encontrar e monitorar a biodiversidade. As novas abordagens tecnológicas, segundo os autores, serão vitais para avaliar o progresso em direcção às metas de conservação internacionais, como as metas de Aichi recentemente estabelecidos da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB).
Um dos exemplos de tecnologia inovadora é o Biodiversity Mapping. Criado por Jenkins, o site reúne informações de diversos biomas e o estado de conservação das suas espécies, em uma única plataforma, alimentada com dados de diversas organizações e pesquisadores de todo o mundo. O mapa da biodiversidade já identificou, por exemplo, dados relevantes sobre a Mata Atlântica como uma área prioritária para conservação, em escala mundial. "Nossos mapas mostram claramente que a Mata Atlântica no Brasil é uma das grandes prioridades globais para a prevenção de extinções. É a combinação de uma enorme concentração de espécies intrinsecamente vulneráveis e uma grande quantidade de perda de habitat, com apenas cerca de 10% da floresta original remanescente", diz.
Os cientistas ainda reiteram no estudo suas preocupações com relação às espécies desconhecidas. Apesar dos progressos recentes em conservação de espécies, eles observam muitas incertezas quanto ao número de espécies existem, onde estão, e suas taxas de extinção, sendo que muitas delas ainda são desconhecidas pela ciência, podendo enfrentar grandes ameaças. As tecnologias como base de dados e mapas, por sua vez, estão permitindo que os cientistas expandam seu foco e identifiquem padrões e tendências importantes, por exemplo, entre as espécies aquáticas e marinhas, assim como as terrestres.
"Com a reunião de dados antigamente dispersos, sabemos agora que a maioria das espécies terrestres está espalhada em pequenas áreas geográficas - a maioria delas menor do que o estado do Rio de Janeiro. Espécies com essas pequenas faixas são desproporcionalmente vulneráveis a ameaças modernas que causam extinção. Novos conhecimentos oferecem a possibilidade de a sociedade concentrar os esforços de conservação em locais críticos ao redor do planeta", afirma Jenkins.
Nessa linha, o novo estudo também confirma que espécies de água doce são provavelmente mais ameaçadas do que espécies na terra, e o potencial de extinções de espécies nos oceanos tem sido severamente subestimado. Enquanto cerca de 13% da área terrestre do planeta está protegida, apenas 2% do seu oceano está sob protecção. Medidas de conservação tradicionais, como reservas naturais, estão aquém da necessidade de conferir protecção, especialmente para espécies de água doce, sendo que a ameaça às espécies aquáticas pode começar fora das áreas protegidas. Desta forma, concluem os especialistas, embora existam dados acessíveis sobre as espécies vulneráveis e um rápido progresso no desenvolvimento de áreas protegidas, tais esforços não têm sido ecologicamente representativos.
O artigo é assinado por Clinton Jenkins (IPÊ/ ESCAS), Stuart. L. Pimm (Duke University), R. Abell, Tom M. Brooks (International Union for Conservation of Nature, IUCN), John L. Gittleman (University of Georgia), Lucas Joppa (Microsoft Research), Peter H. Raven (Missouri Botanical Garden), Callum. M. Roberts (University of York), Joseph O. Sexton (University of Maryland).
www.sciencemag.org/lookup/doi/10.1126/science.1246752
http://www.ipe.org.br/ultimas-noticias/443-acao-humana-acelera-em-mil-vezes-a-extincao-da-biodiversidade-em-todo-o-mundo
http://www.biodiversitymapping.org/docs/Jenkins_et_al_2013_PNAS.pdf

terça-feira, 8 de Julho de 2014

Banda desenhada alerta crianças contra a caça furtiva



Nova banda desenhada pretende alertar as crianças contra a caça furtiva
 “A Dangerous Life” (Uma vida perigosa) é uma nova banda desenhada que pretende esclarecer e alertar as crianças para os perigos que os elefantes enfrentam às mãos dos caçadores.
A história tem como personagem principal Amelia, jovem herdeira de uma fortuna em marfim, que embarca num safari no Quénia. Durante a viajem, a jovem trava amizade com Kai, um jovem chinês que também anda a viajar. Juntos descobrem a verdade por trás do comércio de marfim e os problemas inerentes à caça furtiva.
De uma maneira apelativa o livro transmite a mensagem de que a caça não coloca apenas os elefantes em perigo mas também os Vigilantes da Natureza (Park Rangers) e as comunidades locais. A história foi escrita por Sheila Hamanaka e ilustrada por Lisa Berile, Rosalie Knox e Julie Lien.
Um relatório recente da Interpol e da ONU revela que entre 22.000 a 25.000 elefantes são abatidos anualmente em África, refere o Tree Hugger.
O livro é publicado pelo Animal Welfare Institute e pelo Kenya Wildlife Service e tem como público-alvo os jovens do segundo e terceiro ciclo escolar. A nova banda desenhada vai ser distribuída pelo Quénia, nomeadamente nas escolas e parques nacionais. Está também à venda na página do Animal Welfare Institute.
Foto: A Dangerous Life 

quarta-feira, 2 de Julho de 2014

Extinção da (ADSAICA) Associação das Serras de Aire e Candeeiros



Câmaras de Porto de Mós, Ourém e Rio Maior, propõem extinção da Associação das Serras de Aire e Candeeiros

As Câmaras de Porto de Mós, Ourém e Rio Maior, que integram a direção da ADSAICA – Associação para o Desenvolvimento das Serras de Aire e Candeeiros, deliberaram pedir à assembleia geral a extinção, situação justificada por razões financeiras.
A decisão, tomada na semana passada, poderá determinar o desemprego de 13 pessoas a partir de janeiro de 2015 – se os municípios não as integrarem -, data em que é proposta a formalização da extinção que vai ser objeto de deliberação na assembleia geral da ADSAICA prevista para setembro.
“É com muita pena minha, porque se trata de uma associação que faz um excelente trabalho”, afirmou à agência Lusa o presidente da ADSAICA e da Câmara de Porto de Mós, João Salgueiro, destacando o trabalho no âmbito da vigilância e prevenção de incêndios.
O responsável adiantou que as dez pessoas que fazem parte dos sapadores florestais têm “grande dinâmica e grandes conhecimentos” nesta matéria.
“Acontece que a ADSAICA era comparticipada pelo ICNB [Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade] em 50 mil euros e os outros 50 mil euros eram pela Direção-Geral das Florestas”, explicou João Salgueiro, referindo que o custo das duas equipas de sapadores florestais era de 120 mil euros, sendo que o diferencial era assegurado pelos municípios e com verbas das entradas no Monumento Natural das Pegadas de Dinossauros, no Bairro, concelho de Ourém, que a associação gere.
O responsável esclareceu que com a “fusão do ICNB com as Florestas, transformando-se em Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas”, a ADSAICA passou a ter apenas 50 mil euros, valor que “não dá, de modo algum, para suportar os custos relativamente aos sapadores florestais”.
“Temos vivido com grandes dificuldades, temos as contas todas em ordem, mas tem sido com grande esforço”, declarou, reconhecendo haver, por vezes, ordenados em atraso.
João Salgueiro esclareceu que o município de Porto de Mós está disponível para receber uma das equipas de sapadores florestais, com cinco elementos, porque, além de residirem na região, fazem “um excelente trabalho que é necessário ao concelho”, mas se ultrapassados os constrangimentos na admissão de novos funcionários.
Além dos 10 sapadores florestais, a ADSAICA tem um trabalhador na estação de tratamento de efluentes suinícolas de Alcobertas, em Rio Maior, e dois no monumento do Bairro, acrescentou o autarca.
A ADSAICA, criada em 1990, engloba no seu núcleo fundador o Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, tutelado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, e os sete municípios que nele têm território – Alcobaça, Alcanena, Torres Novas, Porto de Mós, Rio Maior, Ourém e Santarém – e a Circunscrição Florestal da Marinha Grande.
A associação visa o estudo, valorização e divulgação do património desta região.
Fonte: Maior Tv / Lusa

terça-feira, 1 de Julho de 2014

Pacto nacional pelo felino mais ameaçado do mundo


O Ministério do Ambiente assinou esta terça-feira um Pacto Nacional para a conservação do felino mais ameaçado do mundo. O próximo passo será reintroduzi-lo em habitat natural em Portugal. Ainda não é certo se tal será possível o outono.


Uma década após o início do plano para a conservação do lince ibérico em Portugal, o Ministério do Ambiente conseguiu finalmente chegar a acordo com vários parceiros no terreno para que seja possível, a médio prazo, a reintrodução do lince ibérico em território nacional.
O Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Miguel de Castro Neto, congratula-se com este "pacto ambicioso" que "significa o empenho de todos nesta causa importante para o lince e para Portugal". Em entrevista ao Expresso, o governante lembra também que o acordo "pode ser subscrito por qualquer entidade ou cidadão", já que a partir de amanhã estará disponível no sítio online do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).
Para já, o Pacto Nacional conta com a assinatura de uma dúzia de entidades, entre as quais a Associação Iberlinx, a Associação Nacional de Proprietários e Produtores de Caça (ANPC), a  Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), o Centro de Biologia Ambiental da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) da Universidade do Porto, a WWF, a Fencaça e a Direção Geral de Alimentação e Veterinária.
O próximo passo será a assinatura de documentos entre o ICNF e cada um dos outros parceiros para que fiquem assentes os compromissos de boas práticas cinegéticas e os direitos e obrigações dos envolvidos no terreno.

Linces soltos no outono?
Miguel de Castro Neto gostaria de assistir à libertação de linces em Portugal "no próximo outono", mas a decisão ainda não está fechada. Para evitar precipitações - como o anúncio prematuro feito em março passado de que seriam soltos na primavera exemplares saídos da reprodução em cativeiro - o governante disse, em entrevista ao Expresso, que "uma decisão será tomada até ao final do verão". As áreas previstas de reintrodução localizam-se no Vale do Guadiana na região de Mértola e na de Moura-Barrancos. 
"Este pacto permite um clima de confiança e de cooperação com as pessoas locais e com os proprietários dos terrenos onde se prevê virem a soltar linces", aplaude João Carvalho, dirigente da Associação Nacional de Proprietários e Produtores de Caça (ANPC), um dos parceiros no terreno. E lembra que aquando do anúncio feito em  março, não existiam acordos com os proprietários nem coelho em abundância (devido a uma doença que afetou o principal alimento do lince ibérico).
Porém, João Carvalho diz já ter alertado o governante para o facto de o outono ser um mau timing para libertar animais no campo. "Não faz sentido libertar linces nessa altura porque coincide com a abertura da época geral de caça e com a época das sementeiras e da preparação dos terrenos agrícolas, e o lince precisa de tranquilidade. Segundo João Carvalho "a altura ideal é entre março e junho, já que o campo está mais tranquilo e é a época de maior nidificação e de abundância de coelho".
Contudo, em Espanha tem havido reintrodução de linces durante praticamente todo o ano. Só em 2014 já foram libertos 18 animais na Andaluzia e três na Extremadura espanholas, oriundos dos cinco centros ibéricos de reprodução em cativeiro, entre os quais o de Silves, no Algarve. E amanhã serão libertos mais cinco animais em Espanha, três dos quais pela primeira vez em Castilla la Mancha.

Fonte: Carla Tomás/Expresso

quarta-feira, 25 de Junho de 2014

Reserva do Paul do Boquilobo com gestão tripartida

A Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo passou a ter uma gestão tripartida, que junta a Câmara Municipal da Golegã, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a organização não-governamental ambiental Ongatejo.

Rui Medinas, presidente da Câmara da Golegã, disse à agência Lusa que a gestão da Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo deixa de ficar exclusivamente na esfera do ICNF, que mantém a responsabilidade pela conservação da avifauna, para passar a ser partilhada, assumindo o município um papel “mais interveniente”. O município procurará “dinamizar de uma forma sustentável um recurso único no sector do turismo de natureza”, disse o autarca.

O novo modelo de gestão da Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo, a primeira das sete criadas em Portugal no âmbito do programa O Homem e a Biosfera (MaB), da UNESCO, ficou definido no protocolo assinado no final de um seminário que assinalou os 34 anos da reserva e que decorreu ao longo de segunda-feira, 23 de Junho, no Equuspolis, na Golegã.

Mário Antunes, da Ongatejo, disse à Lusa que o objectivo é aliar o esforço de conservação da biodiversidade à investigação e conhecimento e a actividades conexas, como o turismo da natureza, sendo as entidades agora envolvidas responsáveis pela elaboração do plano de gestão e do plano de actividades.

Até aqui, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) era responsável pela gestão da Reserva Natural e da Reserva da Biosfera, esta “sob a chancela da UNESCO, obrigando a regras que não se sobrepõem às regras nacionais”, afirmou.

Rui Medinas adiantou que é também criado um órgão consultivo, que funcionará como “fórum de acompanhamento, reflexão e fiscalização do órgão de gestão” e que integrará outros parceiros, como o Instituto Politécnico de Tomar (IPT), enquanto representante da academia, juntas de freguesia, outras organizações não-governamentais e empresas, nomeadamente dos sectores do alojamento e da restauração.

Situado junto do rio Almonda, nas imediações da Golegã, o Paul do Boquilobo possui dois maciços de salgueiros, num dos quais está instalada a maior colónia de garças da Península Ibérica, constituindo o outro habitat potencial de expansão ou recurso para aquela colónia.

Da reserva faz ainda parte uma zona permanentemente alagada na margem direita do rio com grande densidade de vegetação aquática, constituindo importantíssimo local de nidificação da fauna aquática, e uma extensa zona de caniçal de grande valor para a fauna paleártica invernante em Portugal, com especial referência para os patos, realça o ICNF.

Fonte: O Mirante

terça-feira, 17 de Junho de 2014

Vigilante da Natureza João Correia no Seminário Europeu de Park Rangers



No seguimento da minha participação no 3º Seminário de Treino de Rangers Europeus (European Ranger training seminar), que decorreu na ilha de Brijuni, no Brijuni National Park, na Croácia, entre 13 e 17 de Maio de 2014, sob o lema “Connecting Rangers across Europe – new beginnings, apresento de seguida uma descrição do evento:
1.       O Parque Nacional de Brijuni tem 3.395 ha. 
2.       O seminário contou com a presença de cerca de 118 participantes, de 20 países europeus (Roménia, Suíça, Inglaterra, Dinamarca, Finlândia, Croácia, Monte Negro, Islândia, Alemanha, França, Eslovénia, Portugal, Hungria, Polónia, Noruega, Itália, Escócia, República Checa, Espanha e Sérvia).
3.       O seminário foi organizado pela Associação de Rangers Croatas (Croatian Ranger Association) em colaboração com a IRF (International Ranger Federation), com o apoio do Governo Croata, em concreto do Ministério do Ambiente e da Conservação da Natureza.
4.        Os acontecimentos que dominaram o evento foram (Programa em anexo):
v  No 1º dia (13 de Maio)
Ø  Realizou-se a cerimónia de abertura do Seminário, com a presença das seguintes individualidades: o Secretário de Estado do Ministério do Ambiente e da Conservação da Natureza, o Sr. Nenad Strizrep, o Director do Parque Nacional de Brijuni, o Sr. Sandro Dujmovic, o Presidente da IRF, o Sr. Sean Willmore, o Presidente da Associação Croata de Rangers, o Sr. Branko Stivic, e o Delegado Europeu da IRF, o Sr. Florin Halastauan, que proferiram as boas-vindas a todos os participantes.
 
No 2º dia (14 de Maio)
Ø  Durante a manhã decorreram as seguintes apresentações: “As Áreas Protegidas Croatas”, “A implementação da Rede Natura 2000 na Croácia” e o “Projecto de criação da imagem de marca das Áreas Protegidas Croatas”, este último relativo ao estabelecimento de uma simbologia específica para as Áreas Protegidas, para os uniformes dos rangers e para os veículos.
Ø  Posteriormente realizaram-se quatro palestras subordinadas aos temas: a) Junior Ranger Programs; b) Ranger communications network development; c) Twin projects; e d) Training rangers programs in Europe. Na continuação desta actividade decorreu, da parte da tarde, a análise e a discussão dos temas, divididos por grupos de trabalho. 

Ø  O representante de Portugal, o Vigilante da Natureza João Correia, participou no grupo de trabalho relativo ao tema “Training rangers programs in Europe”. Neste grupo de trabalho foi apresentado o “Ranger Training – The 6 Losehill Principles”, sendo estes: 1) Consciência das normas internacionais/nacionais e da ética ambiental; 2) Boas capacidades de comunicação; 3) Compreensão das relações entre a paisagem, a biodiversidade e a cultura, e dos conflitos entre estes; 4) Conhecimento e capacidade de lidar com segurança dos visitantes e com situações de emergências; 5) Capacidade de analisar, monitorar e apresentar relatórios dos recursos naturais; e 6) Conhecimento dos habitats e da sua gestão.
Ø  Durante a sessão a Associação de Rangers Checos fez a apresentação dos seus métodos de treino e deu-se início ao debate, com a Escócia, a Alemanha, a Eslovénia, a Noruega e a Roménia, a fazerem um resumo do seu sistema de ingresso e de formação de rangers. Também foi discutido a eventual implementação de um Manual do Ranger Europeu.
Ø  Do debate conclui-se que é essencial a criação de um programa de formação continua em trabalho (on-the-job training) para todos os Rangers, com recurso ao conhecimento internos, quer dos serviços (técnicos), quer de outros rangers. Esta formação é mais adequada e é também a menos dispendiosa, o recurso à formação externa (off-the-job training) é essencialmente aconselhada para a aprendizagem de técnicas específicas, sendo também a que apresenta custos mais elevados. Assim, o plano de formação dos rangers deverá ser precedido de uma avaliação das suas necessidades e ser realizado de acordo com estas, tendo sempre em conta a melhor gestão dos recursos. Também se conclui a necessidade de realização de um Manual do Ranger Europeu, a implementar com o apoio da IRF. Por último, concluiu-se que a implementação de um sistema de formação ao nível Europeu é um projecto de difícil, mas enriquecedor, devido à diversidade de culturas e de línguas existentes no espaço Europeu.
 
Ø  Após o fecho dos grupos de trabalhos realizou-se uma visita à ilha de Brijuni, de comboio, nomeadamente aos locais mais emblemáticos, durante a qual foi feita uma breve apresentação histórica da ilha.
Ø  Para finalizar efectuou-se uma visita à exposição fotográfica dedicada à figura do presidente Josip Broz Tito, que utilizou aquela ilha como residência oficial de verão.
 
v  No 3º dia (15 de Maio)
Ø   Realizou-se uma saída de campo (field work shops) ao Parque Nacional de Risnjak (lince em croata), dedicada ao tema dos grandes carnívoros europeus (urso, lobo e lince). O Parque Nacional de Risnjak tem 6350 ha.   
Ø  Durante a saída de campo foi realizada uma palestra pelo Prof. Duro Huber, da School of Veterinary Medicine of the University of Zagreb, sobre os planos de gestão para os grandes carnívoros, na Croácia, seguida da demonstração das técnicas de captura e imobilização daquelas espécies.
 
Ø  Durante esta acção foi realizada a biometria de um cadáver recente de um urso, com 6 meses, que foi atropelado por um comboio. Em paralelo, e por grupos, decorreu a actividade de localização de um colar transmissor recorrendo à técnica da telemetria.
 
Ø  O resto do dia foi preenchido com a realização de um trilho pelo Parque Nacional, onde foi possível testemunhar a enorme destruição causada na floresta (árvores tombadas e partidas) por um inverno impar, em que uma forte queda de neve seguida de ventos fortes, provocou a queda e a quebra de árvores.
 
Ø  A realização do trilho foi interrompida a meio para assistir à manufactura de tabuas de madeira em bruto (wooden shingles) para a cobertura de telhados e exteriores das casas típicas da região. A técnica utilizada recorre á separação manual dos troncos de madeira.
 

v  No último dia (16 de Maio)
Ø  Realizou-se a cerimónia oficial de encerramento do seminário, com a presença das altas individualidades presente na cerimónia de abertura, onde o Presidente da IRF chamou a atenção para as datas dos futuros eventos importantes (Key Dates) para os rangers a nível mundial.

Ø  De seguida ocorreu uma viagem de barco ao arquipélago de Brijuni, com uma visita à segunda maior ilha, a ilha de Mali Brijun. Aí visitamos uma fortificação militar do império austro-húngaro, que por vezes é utilizada para a realização de peças de teatro.
 
Ø  Para finalizar o evento realizou-se um jogo de futebol entre os rangers Croatas versus os rangers dos outros países. Sendo de salientar que a confraternização e a troca de experiência foi uma constante durante todo o seminário.