segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Vigilante da Natureza: O nosso “Comandante” homenageado em Setúbal


Setúbal: Bisnau, um golfinho para lembrar o respeito pela natureza

A estátua de um golfinho de cinco metros que agora reside no Parque Urbano da Albarquel, em Setúbal, foi criada com 50 quilos de resíduos apanhados nas praias do concelho com a ajuda de centenas de voluntários. A obra apresentada nesta tarde de quinta-feira tem a assinatura do colectivo de artistas Skeleton Sea, conhecido por aproveitar o lixo que polui os mares para criar novas formas de arte.

A história que envolve Bisnau, nome com o qual a estátua foi baptizada, carrega uma mensagem que se centra sobretudo na preservação do meio ambiente. João Parrinha, que integra o Skeleton Sea com Luis de Dios e Xandi Kreuzeder, refere que o grupo pretende lembrar com esta nova obra que "é necessário mantermos os oceanos limpos e respeitar a natureza".

Ao todo foram recolhidas duas toneladas de resíduos das praias com a ajuda dos voluntários da GRACE e da Amar Setúbal. Paula Pereira, da organização deste último grupo setubalense, refere que "é um orgulho imenso que o lixo que apanhámos se transforme numa peça de arte". O Amar Setúbal recolheu em várias acções resíduos na Praia dos Coelhos e na Doca dos Pescadores. "Desde as nossas limpezas a doca tem sido mantida sempre limpa. Acredito que as pessoas e sobretudo os pescadores estão mais sensibilizados", explica.

Este trabalho conjunto entre várias pessoas que partilham o interesse pela defesa do ambiente foi baptizado como "Bisnau", nome atribuído em honra de Carlos Silva que partilha o mesmo apelido e que desempenha funções de Vigilante da Natureza no Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), estando encarregue de monitorizar a vida dos golfinhos que habitam no Sado.

João Parrinha conta que a estátua do golfinho é uma fêmea, já que Carlos Silva foi responsável pela descoberta de uma fêmea juvenil no rio, tendo-lhe também atribuído o nome de "Bisnau". O apelido é ainda partilhado pelo pai e pelo tio do Vigilante da Natureza, pescadores que ficaram conhecidos em Setúbal por esse mesmo nome.

A Bisnau vai integrar a arquitectura do futuro centro comercial Alegro Setúbal.

A construção de uma obra de arte pelo colectivo de artistas Skeleton Sea surgiu de uma proposta da Immochan Portugal, empresa responsável pela construção do Alegro Setúbal. A Bisnau está integrada no projecto "Arte em Toda a Parte", que pretende envolver a população na construção do centro comercial.

Maria das Dores Meira, presidente da Câmara Municipal de Setúbal, elogia esta "forma de interagir com as populações" e destaca a acção desenvolvida até agora, que "começou com os tapumes que embelezaram a obra de betão" e que teve continuidade com a escultura do golfinho, "símbolo muito caro para o nosso município".

Texto e Fotos: © Márcia Moço / O Bocagiano






domingo, 8 de fevereiro de 2015

XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza - XII Jornadas Técnicas


XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza - XII Jornadas Técnicas

Monitorização Ambiental, de Espécies e Habitats

Vigilantes da Natureza 40 anos ao serviço da Conservação da Natureza

As Jornadas Técnicas realizaram-se com a participação activa de todos os presentes, abrindo novas expectativas, novos horizontes, tendo propiciado um diálogo crítico, criativo e construtivo sobre os temas abordados.

Evidenciou-se um grande interesse em relação às temáticas tratadas, existindo uma consciencialização dos perigos que a poluição e a degradação ambiental constituem para a Conservação da Natureza.

Existe um entendimento generalizado da necessidade de proteger os elementos naturais, recursos de inestimável importância para a preservação da vida na terra.

Concluiu-se que a variedade climática e hidrológica existente em Portugal determina a existência de ecossistemas com condições físico-químicas e geológicas singulares e com importantes componentes de flora e fauna.

O crescente aumento das pressões ambientais derivadas de numerosas fontes como as alterações climáticas, a contaminação dos solos, a proliferação de espécies invasoras, a perda e fragmentação de habitats e a poluição dos nossos recursos hídricos atingem valores preocupantes.

A monitorização ambiental, de espécies e habitats, resulta da recolha periódica e organizada de dados recolhidos, seguida de uma análise sistemática da informação reunida. Esta informação permite-nos a obtenção de mais conhecimentos sobre a Biodiversidade, através de inventários de fauna e flora o que poderá proporcionar a definição de áreas prioritárias para a conservação da natureza, a formação de novas áreas classificadas e de corredores ecológicos.

Nestes últimos 40 anos muita coisa mudou na Conservação da Natureza em Portugal.

A rede nacional de áreas protegidas, as competências e atribuições das entidades com responsabilidades na Conservação da Natureza mudaram muito desde 1975.

Modificaram-se as responsabilidades e compromissos internacionais. Mudou o Mundo em que vivemos.

Alterou-se a tomada de consciência sobre a importância e os comprometimentos que se colocam à sociedade relativamente à Conservação da Natureza.

As entidades com competências na área do ambiente cresceram, ganharam territórios e mais atribuições.

Dos 188 Vigilantes da Natureza existentes no ICN (Instituto da Conservação da Natureza) em 1999 restam 120 em 2015, para fiscalizar 21,7% do país, enquanto o restante território nacional é fiscalizado por 56 Vigilantes da Natureza das CCDR (Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional) e APA (Agência Portuguesa do Ambiente).

A conservação do Património Natural, da Biodiversidade e da Paisagem são o garante da preservação de uma parte estruturante da nossa Identidade Nacional.

As Áreas Classificadas, o Parque Nacional, os Parques Naturais, as Reservas Naturais e o património natural fazem parte da nossa herança colectiva, sendo a escassez de Vigilantes da Natureza uma das grandes ameaças que enfrentam.

Apesar das dificuldades que os Vigilantes da Natureza sempre encararam, consideramos existirem razões para festejar os 40 anos de existência da profissão.

Os Vigilantes da Natureza têm como missão a preservação das Áreas Naturais e a protecção do Meio Ambiente.

Estes profissionais são a peça vital para a protecção da Natureza devido ao seu conhecimento do terreno e dos habitats, sendo o reconhecimento da sua missão por parte das populações uma mais-valia para a resolução de muitos dos problemas que afectam o meio ambiente.

O Dia Nacional do Vigilante da Natureza é um dia dedicado ao reconhecimento do árduo trabalho a que estes profissionais se dedicam de corpo e alma, suportando as inclemências do tempo e da natureza, enfrentando com coragem a sua missão de salvaguarda do Ambiente.

O Dia Nacional do Vigilante da Natureza é um dia de esperança de um futuro melhor para a profissão e para a preservação da Natureza!

Cronologia do evento:

A sessão de abertura do XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza - XII Jornadas Técnicas realizou-se com o discurso de Boas Vindas do Presidente da APGVN – Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza, Francisco Correia, e do Doutor Nuno Grade, Chefe de Divisão de Gestão Operacional e Fiscalização (DGOF) do Departamento de Conservação da Natureza e Florestas do Algarve.

O Presidente da APGVN efectuou a leitura da mensagem de saudações enviada pela Direcção Nacional da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Deu-se início às palestras!

A primeira apresentação esteve a cargo dos Vigilantes da Natureza Paulo Cabrita – “Monitorização do Plantago almogravensis no PNSACV”, Pedro Alverca “Monitorização do Falcão Peregrino Falco Peregrinus no PNSACV” e Vitor Casalinho “Gralha-de-Bico-Vermelho”.

O Vigilante da Natureza João Correia apresentou a palestra denominada “A Perdiz-do-Mar no Estuário do Tejo”.

“Monitorizações realizadas no PNVG – Parque Natural do Vale do Guadiana” foi a apresentação efetuada pelas Vigilantes da Natureza Célia Medeiros e Eunice Pereira.

O Vigilante da Natureza António Frazão apresentou o tema “Monitorização da Perdiz-Vermelha no Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros”.

A Doutora Ana Cordeiro expôs o tema “Monitorização de impactes de um parque eólico na avifauna e implementação de um plano de medidas de mitigação e compensação”.

O Doutor João Castro, da Universidade de Évora, apresentou o tema “Estudo do percebe e das áreas de reserva marinha do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina”.

O Doutor José Lino Costa, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, efetuou uma apresentação denominada “Os peixes no estuário do Mira”.

A Doutora Rita Alcazar, da LPN - Liga para a Proteção da Natureza, apresentou o tema “Charcos mediterrânicos temporários”.

Realizou-se a homenagem ao Vigilante da Natureza António João Severo pela sua dedicação à profissão e à Conservação da Natureza. É com muito orgulho que temos como companheiro este profissional que prestou com grande empenho e devoção a sua missão de protector da Natureza. O nosso muito obrigado por seres Vigilante da Natureza!

Após o jantar os participantes no XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza foram brindados com a magnífica actuação do Grupo Coral de Vila Nova de Mil Fontes que elevou o Cante Alentejano à sua máxima expressão. O Vigilante da Natureza David Carvalho encantou todos os presentes com a demonstração dos seus dotes de executante do Cante Alentejano.

No Dia 2 de Fevereiro, realizou-se a Sessão Comemorativa do Dia Nacional do Vigilante da Natureza e do Dia Mundial das Zonas Húmidas, com a abertura do evento a ser efectuada pela Engenheira Paula Sarmento, Presidente do ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, seguida do comunicação do Presidente da APGVN – Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza e por último a explanação do Doutor José Alberto Guerreiro, Presidente da Câmara Municipal de Odemira.

O presidente da APGVN fez uma retrospectiva dos 40 anos da profissão de Vigilante da Natureza em Portugal.

O Doutor João Carlos Farinha, Chefe de Divisão de Valorização de Áreas Classificadas (DVAC) do ICNF, fez uma breve referência ao Dia Mundial das Zonas Húmidas e efectuou a apresentação do projecto “Natural.pt”.

Terminando a Sessão Comemorativa com a apresentação da Professora Doutora Helena Adão, da Universidade de Évora, abordando o tema “O Estuário do Mira”.

Seguiu-se o Almoço Comemorativo do Dia Nacional do Vigilante da Natureza e de seguida a saída de campo a um charco mediterrânico, acompanhada por Cientistas da Universidade de Évora. 

Terminando o evento com a visita ao Cabo Sardão.


APGVN


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Comemorações do Dia Nacional do Vigilante da Natureza na Madeira


Na Madeira as comemorações Dia Nacional do Vigilante da Natureza ocorreram no Auditório do Centro de Estudo de História do Atlântico, com uma conferência e seminário de âmbito formativo, subordinado ao tema de “Vigilantes da Natureza agentes de conservação da biodiversidade” e subtema, “o património natural do Arquipélago da Madeira: experiências de vida dos Vigilantes da Natureza”, Presidida pela Sua Excelência Senhor Representante da República Juiz Conselheiro Ireneu Cabral Barreto, com a presença do Senhor Secretário Regional do Ambiente e Recursos Naturais, Dr. Manuel António Correia.

A cerimónia de abertura tal como previsto teve o seu início pelas 10:00h com a mensagem de boas-vindas prestada pelo Director do Serviço do Parque Natural da Madeira Doutor Paulo Oliveira, seguindo-se para uma apresentação dando a conhecer a figura profissional dos Vigilantes da Natureza, desde as suas origens a nível mundial, até à formação do corpo de Vigilantes da Natureza da Madeira, pelo Presidente da Associação de Vigilantes da Natureza da Madeira, Gil Pereira
Foi celebrada uma cerimónia de reconhecimento ao Vigilante da Natureza, Marco Camacho que tem desempenhado as suas funções de forma abnegada e com elevada capacidade de entrega, pelo Senhor Secretário Regional do Ambiente e Recursos Naturais Dr. Manuel António Correia. No seguimento o Sr. Secretário Regional proferiu algumas palavras em prol da carreira profissional e da importância que esta representa nos dias de hoje na defesa do Património Natural da Região. Realçar nas palavras do Membro do Governo Regional, de reconhecer a falta de meios, mas que esses se devem também à dinâmica e exigências na actividade dos Vigilantes da Natureza, "Quando não se faz nada há meios suficientes, a dinâmica é que torna os meios escassos".

A cerimónia da abertura é concluída pelo Excelentíssimo Senhor Representante da República, Juiz Conselheiro Ireneu Cabral Barreto, discorrendo sobre a efeméride da comemoração do Dia do Vigilante da Natureza e seu significado.
Na hora prevista iniciou-se a acção de formação destinada a alunos de cursos de Gestão de Ambiente, e cursos profissionais de Guias da Natureza e Montanha. Acção com grande participação e envolvência dos alunos e professores, tendo ficado a ideia de ter correspondido às expectativas e clara demonstração que os Vigilantes da Natureza são por excelência agentes de informação e comunicação em todas as classes sociais.

Conferência
Vigilantes da Natureza – Agentes de Conservação da Biodiversidade
Local: Auditório do Centro de Estudos de História do Atlântico
Promotores: Associação de Vigilantes da Natureza da Madeira e Serviço do Parque Natural da Madeira
Programa
  9h30 – Recebimento dos convidados e participantes
10h00 – Sessão de abertura presidida por Sua Excelência o Senhor Representante da República Juiz Conselheiro Ireneu Cabral Barreto.
Mensagem de Boas Vindas pelo Senhor Diretor do Serviço do Parque Natural da Madeira Doutor Paulo Oliveira.
Enquadramento do Corpo de Vigilantes da Natureza pelo Presidente da Associação de Vigilantes da Natureza da Madeira Gil Pereira
     Reconhecimento a elemento do Corpo de Vigilantes da Natureza, que tem desempenhado as suas funções de forma abnegada e com elevada capacidade de entrega, pelo Secretário Regional do Ambiente e Recursos Naturais Dr. Manuel António Correia.
O Excelentíssimo Senhor Representante da República, Juiz Conselheiro Ireneu Cabral Barreto, encerrará a cerimónia discorrendo sobre a efeméride da comemoração do Dia do Vigilante da Natureza e seu significado.
Pausa para café
Ação de Formação: O Património Natural do Arquipélago da Madeira; experiências de vida dos Vigilantes da Natureza
     11h30 – Áreas Protegidas e a sua Biodiversidade - Orador: Vigilante da Natureza João Paulo Mendes
12h00 - Vigilante da Natureza, Comunicação e Fiscalização - Orador: Vigilante da Natureza Nelson Pereira
12h25 – Pausa para almoço
14h00 – Parque Natural da Madeira – Floresta Laurissilva - Orador: Vigilante da Natureza Paulo Jorge Jardim
14h30 – Ameaças à Biodiversidade – Desde a introdução à invasão, controle e circulação - Orador: Vigilante da Natureza Avelino Teixeira e Basílio Castro
15h00 – Pausa para café
     15h25 – Projeto Freira-da-madeira e Freira-do-bugio - Orador: Vigilante da Natureza Filipe Viveiros
     15h55 – Lixos oceânicos e o Lobo-marinho - Orador: Vigilante da Natureza Valter Miranda
    16h25 – Encerramento dos Trabalhos
16h40 – Sorteio para 10 participantes a Viagem de catamaran para observação de cetáceos. 

19h30 – Jantar comemorativo do dia Nacional do Vigilante da Natureza no Restaurante “A Bica”.




quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Portugal: Más notícias para o Lobo-ibérico, preocupante!


Más notícias para o Lobo-ibérico, Secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza admite em público que a espécie poderá ser considerada cinegética.

As declarações foram proferidas na reunião tida com os criadores de gado da região de Pinhel.

É possível visualizar as declarações* no programa Portugal em Direto da RTP 1 de dia 27 de Janeiro de 2015.

*a peça em referência aparece na parte final do programa, Parte 2 / Min. 19

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza


Companheiros (as), Amigos (as)!


Este ano realiza-se o XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza e as XII Jornadas Técnicas que serão dedicados à Monitorização Ambiental, de Espécies e Habitats.

Temos a honra de vos convidar para participar neste evento, que decorrerá no dia 1 de Fevereiro de 2015, em Odemira, na sede do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Estão igualmente convidados a participar no Dia Nacional do Vigilante da Natureza e nas Comemorações do Dia Mundial das Zonas Húmidas que se celebrarão no dia 2 de Fevereiro, no mesmo local.

Contactem-nos através do endereço electrónico: vigilantesnatureza@gmail.com


01 Fevereiro

10:00 Sessão de abertura (sede do PNSACV-Odemira)
10:30/12:00 PALESTRAS
Ø  Vigilantes da Natureza do PNSACV “Monitorizações realizadas no PNSACV”
Ø  Vigilantes da Natureza da RNET "A Perdiz-do-Mar no Estuário do Tejo”
Ø  Vigilantes da Natureza do PNVG “Monitorizações realizadas no PNVG”
Ø  Vigilantes da Natureza do PNSAC “Monitorização da Perdiz-Vermelha no PNSAC”

Almoço em Odemira

14:00/15:20 PALESTRAS
Ø  Doutor João Castro, Universidade de Évora, “Estudo do percebe e das áreas de reserva marinha do PNSACV”
Ø  Doutora Helena Adão, Universidade de Évora, “O estuário do Mira”
Ø  Doutor José Lino Costa, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, “Os peixes no estuário do Mira”
Ø  Doutora Rita Alcazar, LPN,” Charcos mediterrânicos temporários”

 15:20 Saída de Campo a charco mediterrânico

 19:30 Jantar
Apresentação do cante alentejano
Jantar no restaurante Cova Funda Almograve

02 Fevereiro

09:30 Sessão Comemorativa do Dia Nacional do Vigilante da Natureza e do Dia Mundial das Zonas Húmidas, sede do PNSACV, Odemira

10:30 Visita ao Estuário do Mira

13:00- Almoço comemorativo do Dia Nacional do Vigilante da Natureza


segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Santander (Espanha): Professor Carlos Jerez deixa saudades!


Na foto o amigo Agente do Meio Ambiente Shallcrass Navalon Eduardo e o Professor Carlos Jerez.

O Professor Carlos Jerez vivia em Santander (Espanha), era uma pessoa encantadora e um profundo conhecedor da cultura e da língua Portuguesa. Colaborou com a Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza nas palestras efectuadas em Santander para os companheiros Agentes Florestais e do Meio Ambiente.

Partiu no domingo passado e deixa muitas saudades!

Descanse em paz Professor!


APGVN

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

XVIII ENCONTRO NACIONAL DE VIGILANTES DA NATUREZA



XVIII ENCONTRO NACIONAL DE VIGILANTES DA NATUREZA
XII JORNADAS TÉCNICAS – MONITORIZAÇÃO AMBIENTAL, DE ESPÉCIES E HABITATS
1 e 2 de Fevereiro de 2015 – ODEMIRA

Os Vigilantes da Natureza foram instituídos em 1975 como um Corpo Especializado na Preservação do Ambiente e Conservação da Natureza.
Os Vigilantes da Natureza, profissionais que têm uma função meritória no que respeita à proteção do património natural, têm a obrigação de assegurar funções de vigilância, fiscalização e monitorização relativas ao ambiente e recursos naturais, no âmbito do domínio hídrico, património natural e conservação da natureza.
 Cabe-lhes zelar pelo cumprimento da legislação relativa à conservação da natureza e dos regulamentos das áreas protegidas.
Os Vigilantes da Natureza são profundos conhecedores das suas áreas de atuação, com aptidões e vocação para desempenhar as tarefas que lhe estão confiadas, a sua função cumpre-se através da sua permanente presença na área a seu cargo, mediante patrulhamentos terrestres e aquáticos contínuos.
Os Vigilantes da Natureza são pessoal de terreno, mas, não têm como missão exclusivamente a proteção da Natureza e da Biodiversidade, orientando o seu desempenho também para servir as comunidades locais e a sociedade em geral.
Este XVIII Encontro Nacional de Vigilantes da Natureza e as XII Jornadas Técnicas serão dedicados à Monitorização Ambiental, de Espécies e Habitats, contando a Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza com a sua colaboração através da sua presença e se assim o desejar de uma comunicação/apresentação que se enquadre no tema proposto. No caso de pretender efetuar uma apresentação agradecemos que nos contacte, indicando a sua identificação e o título da comunicação.
Com os melhores cumprimentos,
A Direção da Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Comunicado de Imprensa: Plano de Acção Nacional para o Lobo-ibérico


COMUNICADO DE IMPRENSA


Entidades reúnem-se para discutir futuro Plano de Acção Nacional para o Lobo-ibérico


Durante o dia de 15 de Dezembro de 2014 reuniram-se em Gouveia vinte entidades, de diferentes sectores, para discutir o tema da conservação do lobo-ibérico. Foram abordadas as preocupações e expectativas dos participantes relativamente a um Plano de Acção Nacional para esta espécie, numa perspectiva de envolvimento de toda a sociedade e com vista a convivência sustentável com o lobo.

A complexidade e diversidade de interesses que envolve a temática do lobo-ibérico resulta na necessidade de procurar consensos para a concretização de um Plano de Acção, que oriente e defina a conservação da espécie em Portugal. Numa iniciativa inédita, estiveram reunidas entidades associadas às actividades agro-pecuária, cinegética, científica, conservacionista e de gestão do território, para além do SEPNA/GNR, de Guardas e Vigilantes da Natureza e da autoridade nacional de conservação da natureza, ICNF.

Desta reunião resultou uma identificação dos principais temas a incluir num Plano de Acção Nacional, com vista à conservação e coexistência com o lobo-ibérico, designadamente:
Predação no gado; Fomento de presas silvestres; Mortalidade da espécie; Compatibilização das actividades humanas com a conservação do lobo-ibérico; Gestão e ordenamento do território; Monitorização e investigação; Sensibilização, envolvimento e comunicação; Financiamentos e apoios públicos; Cooperação e articulação com Espanha.

Discutiu-se ainda o modelo de Governança e as expectativas de envolvimento dos diferentes representantes da sociedade civil na elaboração e implementação do Plano de Acção para a espécie, na expectativa de salvaguardar os interesses das actividades humanas e do lobo, parte de um só mundo rural, património de todos nós e das gerações futuras.



Lisboa, 17 de Dezembro de 2014



As entidades subscritoras:

ACHLI – Associação de Conservação do Habitat do Lobo Ibérico
ADAG – Associação Distrital dos Agricultores da Guarda
ALDEIA – Acção, Liberdade, Desenvolvimento, Educação, Investigação, Ambiente

ANPC – Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade
APGVN – Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza
APT – Associação dos Pastores Transmontanos
ATN – Associação Transumância e Natureza
BALADI – Federação Nacional dos Baldios
CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal
CARNIVORA – Núcleo de Estudos de Carnívoros e seus Ecossistemas
CMN – Clube de Monteiros do Norte
CNA – Confederação Nacional da Agricultura
CONFAGRI – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal, CCRL

FAPAS – Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens
Grupo Lobo – Associação para a Conservação do Lobo e do seu Ecossistema
IWRT – Iberian Wolf Research Team
LPN – Liga para a Protecção da Natureza
Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza
SEPNA - Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da Guarda Nacional Republicana
WWF (Portugal e Espanha)
Zoo Logical – Associação de Inovação para o Conhecimento, Divulgação e Conservação da Fauna






Para mais informações:
Liga para a Protecção da Natureza – 964119504