sábado, 31 de julho de 2010

DIA MUNDIAL DO VIGILANTE DA NATUREZA - 31 de Julho


Comemora-se hoje o dia Mundial do Vigilante da Natureza. Em todos os recantos do mundo onde exista um Vigilante da Natureza o dia será de celebração.

Os Vigilantes da Natureza têm como missão a preservação das Áreas Naturais e a protecção do Meio Ambiente. Estes profissionais são a peça vital para a protecção da Natureza devido ao seu conhecimento do terreno e dos habitats, sendo o reconhecimento da sua missão por parte das populações uma mais-valia para a resolução de muitos dos problemas que afectam o meio ambiente.

O Dia Mundial do Vigilante da Natureza é um dia de reflexão e de homenagem aos nossos companheiros falecidos no cumprimento do dever, que tudo fizeram para proteger os santuários selvagens que ainda perduram no nosso planeta.

É um dia dedicado ao reconhecimento do árduo trabalho a que estes profissionais se dedicam de corpo e alma, sacrificando a sua vida familiar por largos períodos de tempo, suportando as inclemências do tempo e da natureza, enfrentando com coragem a sua missão de salvaguarda do Ambiente, apesar da falta de meios, de condições de trabalho e por vezes da falta de apoio das instituições a que pertencem.

Em Portugal Continental é uma profissão mal amada pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território que não valoriza a dedicação destes homens e mulheres na defesa do nosso património natural e cultural.

É um dia de esperança de um futuro melhor para a profissão e para a preservação da natureza!

Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza



sexta-feira, 30 de julho de 2010

Mais um Guardaparque assassinado no Congo - Parque Nacional Virunga


Emmanule De Merode, Director de Guardaparques do Parque Nacional Virunga, informa que o Guardaparque Achille Vilavu, foi assassinado na manhã de 26 de Julho de 2010, por uma milicia Mai Mai, no cumprimento da protecção dos gorilas das terras baixas do Monte Tshiaberimu na República do Congo- África.


Fonte: Guardaparques

El SERNANP saluda el Día Mundial del Guardaparque (31 de julio)


Este 31 de julio se celebrará el cuarto Día Mundial del Guardaparques

De siempre, la visión habida de la labor de los guardaparques ha sido
la de prevenir la depredación de las áreas naturales protegidas,
cuidando de impedir la tala ilegal y la quema de bosques. Pero esta
labor va mucho más allá: apoyo en la ejecución de procesos de
conservación, talleres de educación ambiental, fotógrafos de
naturaleza, y hasta guías turísticos en algunas ocasiones.

El guardaparques es pieza vital en la misión de proteger las áreas
naturales protegidas, y es por ello que el Servicio Nacional de Áreas
Naturales Protegidas por el Estado – SERNANP, ha casi triplicado el
número de guardaparques respecto al 2009, y cuenta en la actualidad
con 547 de ellos, muchos de los cuales son pobladores indígenas y
locales, conocedores naturales de su hábitat y defensores natos del
mismo.

El Día Mundial del Guardaparques es promovido por los 43 países
miembros de la Federación Internacional de Guardaparques (FIG) y por
la Fundación Delgada Línea Verde, así como por personas que apoyan la
labor de los guardaparques y la FIG. El primer Día Mundial de
Guardaparques se celebró en 2007 en el 15º aniversario de la fundación
de la FIG.

Este 31 de julio es una fecha especial para reflexionar acerca de la
ardua labor que realizan los guardaparques en nuestro país, de los
sacrificios que tienen que pasar muchas veces, alejados de sus
familias por largos periodos de tiempo, soportando las inclemencias
del tiempo y la naturaleza, así como enfrentando a personas
inescrupulosas que pretenden depredar nuestra biodiversidad, acción
que en algunos casos les ha costado incluso la vida.

Fuente: http://www.sernanp.gob.pe/sernanp/noticia.jsp?ID=218

quarta-feira, 28 de julho de 2010

«Paralisia e desorientação» no ICNB afecta vigilancia e fiscalização, diz Quercus


Associação ambientalista diz que o Instituto falhou na reorganização interna e que a escassez de meios põe em causa serviços essenciais como a vigilância e a fiscalização.

A Quercus considera que há «paralisia e desorientação» no Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB). A associação ambientalista alarga mesmo as críticas à informação sobre património e valores naturais classificados que diz estar «desorganizada».

Numa análise divulgada esta quarta-feira, no Dia Nacional de Conservação da Natureza, a Quercus espera que o Governo atribua «os meios e o protagonismo político a esta área tão relevante para o desenvolvimento sustentável».

Em comunicado citado pela Lusa, a Quercus manifesta «grande preocupação pelo actual estado em que se encontra o ICNB, em especial no que concerne à sua completa paralisia e desorientação». O ICNB «falhou, pelo menos em parte, a reorganização interna efectuada nos últimos anos, a que se junta a escassez de meios que já impede o normal funcionamento de serviços essenciais como a vigilância e a fiscalização», acrescenta o comunicado.

Numa entrevista à agência Lusa, o presidente do ICNB, Tito Rosa, referiu que, devido à crise económica, e como toda a Administração Pública, também esta área foi alvo de ajustamentos.

«Não tivemos nesse particular ainda nenhuma prioridade ou discriminação positiva. Estamos a lutar por isso, porque esta área é muito específica» e alguns dos ajustamentos orçamentais «podem limitar algumas das nossas acções. De certa maneira, já limitam», apontou.

Mas «estamos a conversar sobre o assunto para ver se conseguimos corrigir», acrescentou o presidente do Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade.

Fonte: TVI 24

31 DE JULIO / DÍA MUNDIAL DEL GUARDAPARQUE

Día del guardaparque.


Desde 2007 se viene celebrando en un numero creciente de paises el Dia Mundial del Guardaparque. La fecha elegida es el 31 de julio, aniversario de la creacion de la Federacion Internacional de Guardaparques. Desde 2009 funciona en nuestro país la Asociación Uruguaya de Guardaparques (AUG) con la intención de centralizar y difundir la información sobre áreas protegidas, capacitación, desarrollo de la profesión, etc.

El próximo sabado 31 de julio, en el marco de estos festejos, la Asociación Uruguaya de Guardaparques (AUG) con el apoyo del Ministerio de Vivienda, Ordenamiento Territorial y Medio Ambiente (MVOTMA) lo invitan participar de la presentación del rol y actividades de los guardaparques a través de una charla en el centro de visitantes Humedales de Santa Lucía y una visita guiada por el área.

Durante la actividad se realizará la firma del acuerdo de cooperación entre el MVOTMA y la AUG con el objetivo de desarrollar relaciones de cooperación mutua, promoviendo ámbitos de intercambio y participación al servicio de la planificación e implementación del Sistema Nacional de Áreas Protegidas con especial referencia al diseño y funcionamiento del Cuerpo Nacional de Guardaparques.

La actividad contará con la presencia de la Ministra de Vivienda, Ordenamiento Territorial y Medio Ambiente, Graciela Muslera; el Director Nacional de Medio Ambiente, Jorge Rucks; y otras autoridades nacionales y municipales.

Desde ya agradecemos la difusión y cobertura que le puedan dar al evento.

Sabado 31 de julio de 11 a 12:30 horas, Calle La Guardia s/n (Santiago Vazquez).
 



Asociación Uruguaya de Guardaparques

http://guardaparquesuruguay.blogspot.com/
asoc.uruguayadeguardaparques@gmail.com

Curso Regional para Guardaparques de América Latina

Curso Regional para Guardaparques de América Latina

4 de Octubre al 26 de Noviembre de 2010.

Córdoba, Argentina.

Convenio de Cooperación JICA – APN

Curso Regional para Guardaparques de América Latina que ejecutará el Centro de Formación y Capacitación en Áreas Protegidas de acuerdo al Convenio de Cooperación JICA – Administración de Parques Nacionales de Argentina.

POBLACIÓN OBJETIVO: Personal de terreno que se desempeña como guardaparque pero que no ha recibido tal formación.

Objetivos del curso:

· Formar recursos humanos calificados para desempeñarse tanto como agentes de conservación en áreas naturales protegidas ¨tradicionales¨ de América Latina, como para cumplir ese rol en territorios pertenecientes a comunidades indígenas, sistemas privados de áreas protegidas, ONG, universidades, movimientos campesinos, etc.

· Capacitar agentes de conservación que abarquen todo el espectro de actividades que se puede encontrar en los sistemas de áreas protegidas, considerando el personal en funciones y de acuerdo a las más modernas concepciones del manejo de las áreas naturales protegidas, en relación con el ambiente natural y social en que están insertas.

SEDE DEL CURSO: Se llevará a cabo en las instalaciones que la Administración de Parques Nacionales de Argentina posee en la localidad de Embalse, Provincia de Córdoba, Argentina.

requisitos para la postulación:

· Desempeñarse como personal de campo, realizando funciones de guardaparque.

· Poseer una antigüedad mínima de (2) dos años en el desempeño de la función.

· Ser ciudadano o residente legal del país que realiza la presentación.

· Edad máxima: 35 años.

· Gozar de buena salud física y mental.

· Cumplir con los plazos y procedimientos de inscripción establecidos.

documentación requerida:

1. El candidato deberá completar los Formularios II y IV con sus datos personales, adjuntando currículum vitae con sus antecedentes laborales en áreas naturales protegidas. También agregar copia de título académico.

2. El candidato deberá adjuntar una carta detallando su motivación por el curso.

3. La institución a la que pertenece deberá completar la siguiente documentación:

- Carta de recomendación que autorice la participación del candidato al curso: la misma deberá argumentar el impacto que esta formación tendrá en su institución, asegurando que el postulante se encuentra en condiciones de representar al país.

- Formulario I “País solicitante”, con el nombre del candidato a postular.

- Formulario III “Compromiso Institucional”.

Escribir a centrocapacitacion@apn.gov.ar

terça-feira, 27 de julho de 2010

Portugal assinala amanhã dia int. da conservação da natureza de “tanga preta”

Uma “tanga preta” é o traje que “Os Verdes” aconselham aos responsáveis da área do ambiente do Governo PS para usarem nas comemorações do Dia Internacional da Conservação da Natureza nas quais por certo se preparam para participar.

Esta sugestão de “Os Verdes” não decorre do calor que afecta o país mas sim da adequação do traje à ligeireza das responsabilidades e das políticas que o Governo tem vindo a assumir na área da Conservação da Natureza.

“Os Verdes” sugerem ainda o uso da “tanga” como símbolo das parcas verbas atribuídas à Conservação da Natureza no quadro do Orçamento de Estado e do estrangulamento financeiro a que o Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) tem vindo a ser submetido, o que o impede de cumprir com a missão que lhe foi atribuída de estudo, preservação e valorização da natureza nas áreas protegidas deste país, áreas de conservação da natureza, por excelência.

“Os Verdes” sugerem ainda a opção da cor preta para a tanga como símbolo do luto decorrente das agressões e ataques fatais proferidos à Conservação da Natureza e à Biodiversidade, pelas políticas levadas a cabo por este Governo, nomeadamente o Plano Nacional de Barragens (PNB), os Projectos de Interesse Nacional (PIN), o abandono da agricultura familiar que tem levado à desertificação do interior, a introdução de culturas de Organismos Geneticamente Modificados (OGM), a betozinação de zonas húmidas, a não implementação de uma estratégia florestal que contribua para travar o flagelo dos incêndios sempre que o calor aperta … Políticas que o PEV tem vindo, dia a dia, a denunciar e sobre as quais tem interpelado incessantemente o Governo na Assembleia da República.

Nesta efeméride, o PEV não pode deixar ainda de relembrar que a Estratégia para a Conservação da Natureza não passou de uma miragem, cujas acções ficaram muito aquém do desejado e cuja revisão fica agora adiada para 2011.

“Os Verdes” não se deixarão enganar pelo anúncio de 3 ou 4 medidas soltas e desgarradas que por certo o Governo fará. Os anúncios que se esperariam para promover a Conservação da Natureza com eficácia e sem demagogia neste país passariam pela revogação, de imediato, do PNB, das taxas nas áreas protegidas, pelo fim dos PIN e por um conjunto de medidas de promoção à produção agrícola local.

O Partido Ecologista “Os Verdes”

Fonte: Rostos.pt

Dia Nacional da Conservação da Natureza: Tartarugas vão ser devolvidas ao mar


Duas tartarugas marinhas reabilitadas no parque do Zoomarine, no Algarve, vão ser devolvidas ao mar a bordo de um navio militar na quarta feira, Dia Nacional da conservação da Natureza.

As duas tartarugas-comuns, da espécie Caretta caretta, embarcam em Portimão no navio da Marinha de Guerra Portuguesa “NRP João Roby”, na presença dos secretários de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, e da Defesa Nacional e Assuntos do Mar, Marcos Perestrello, entidades que farão a devolução pelas próprias mãos, disse à Lusa Élio Vicente, biólogo marinho e diretor de ciência e educação do Zoomarine.

“Hope”, a tartaruga que em janeiro um grupo de pescadores de Tavira encontrou presa num emaranhado de redes com a barbatana peitoral esquerda danificada e que teve de ser amputada, é um dos animais que vai ser devolvida ao habitat natural.

Mas “Hope” – em português esperança – que entrou com cinco quilos e meio de peso, mas volta ao mar com o dobro, não regressa sozinha, pois “Hércules”, a tartaruga recolhida em Sines também por pescadores, vai fazer-lhe companhia.

As tartarugas vão ser largadas a 12 milhas a sul de Portimão – cerca de 20 quilómetros -, voltando a mergulhar nas águas do Atlântico, perto das 9h30.

Na missão contra a extinção das espécies participa também o Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) e da Marinha de Guerra Portuguesa.

Fonte: Publico.pt

Olhão: conferência assinala Dia Nacional da Conservação da Natureza

Assinala-se amanhã, dia 28 de Julho, o Dia Nacional da Conservação da Natureza, isto em pleno Ano Internacional da Biodiversidade.

No âmbito destas celebrações, tem lugar esta quarta-feira, no Auditório Municipal de Olhão, a conferência “Biodiversidade Costeira – Conservar Gerindo a Compatibilização de Usos”.

A sessão tem início pelas 9h30 e prolonga-se até às 17h30.

A organização é do ICNB - Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade que, através do seu Departamento de Gestão de Áreas Classificadas / Sul, organiza esta conferência dedicada à gestão da Biodiversidade Litoral – compatibilização de usos, centrada em casos referentes às Áreas Protegidas sob a sua gestão.

As questões referentes à biodiversidade suscitam, actualmente, um interesse acrescido devido às pressões, cada vez mais evidentes, que sobre a mesma se exercem suscitando discussões em torno de métodos de gestão tidos por consagrados.

A articulação, cada vez mais evidente, da “conservação da biodiversidade” com o vasto domínio das actividades económicas associado à difusão da ideia de “uso sustentável” abre um novo campo de actuação a necessitar de clarificação urgente.

Esta iniciativa representa mais um contributo para esse debate e permite realçar a importância das Áreas Protegidas como instrumentos da “conservação da biodiversidade” e do “ordenamento do território”.

Fonte: http://www.algarvenoticias.com/

Crise levou a ajustamentos orçamentais que já limitaram actividades no ICNB


O presidente do Instituto para a Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) afirmou hoje que a crise levou a ajustamentos orçamentais nesta área que já limitaram algumas actividades deste organismo.

Em entrevista à agência Lusa a propósito do Dia Nacional da Conservação da Natureza, que se assinala na quarta feira, Tito Rosa, referiu que, devido à crise económica, e como toda a Administração Pública, também esta área foi alvo de ajustamentos.

Fonte: EPA

Expo Energia 2010: Novas datas - 9, 10 e 11 Novembro


A 5ª Expo Energia, organizada pelo Jornal água&ambiente e subordinada ao tema “Energia Inteligente _Energia Eficiente, _das convencionais às renováveis _das cidades às indústrias” realiza-se nos dias 9, 10 e 11 de Novembro (novas datas), no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Esta edição da Expo Energia conta com as seguintes iniciativas:

_Forum DA ENERGIA – 9 Novembro

_Conferência ENERGIAS RENOVÁVEIS, ENERGIAS DO FUTURO - 10 Novembro

_Conferência SMART CITIES, CIDADES EFICIENTES - 10 e 11 Novembro

_Conferência DA INDÚSTRIA - 11 Novembro

_Espaço TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - 9, 10 e 11 Novembro


Marque já na sua agenda as novas datas e esteja atento às novidades: http://www.expoenergia2010.about.pt/

Aproveite os descontos e condições especiais na inscrição antecipada e garanta já a sua presença no encontro de referência do sector.



Com os melhores cumprimentos,

Filipa Newton
Coordenação

About Media Conferências

Grupo ABOUT Media

Tel: +351 21 880 61 36

Fax: +351 21 880 61 37

E-mail: expoenergia@about.pt

http://www.ambienteonline.pt/

Jovens de diversos países discutem Patrimônio Cultural


Jovens de 19 países participam do Fórum Juvenil do Patrimônio Cultural, entre os dias 16 e 26 de julho, em quatro cidades brasileiras. A iniciativa reunirá até 45 participantes na faixa etária de 18 a 24 anos, selecionados a partir da avaliação de pequenos projetos educativos de sua autoria, voltados a temas do Patrimônio Cultural.


O Fórum, promovido pelo Ministério da Cultura, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC), em parceria com a Federação Brasileira dos Albergues da Juventude, tem como objetivos a troca de experiências e a apresentação de ferramentas educativas centradas no envolvimento de comunidades, na construção coletiva de conhecimentos e na apropriação social sustentável dos bens do patrimônio, que são referências para a afirmação e a valorização da diversidade e das identidades culturais existentes no país.

Conhecer patrimônios

No dia 16, será feita a primeira parada. O local é a cidade de Foz do Iguaçu, no estado do Paraná. Os jovens irão conhecer as Cataratas do Iguaçu, um patrimônio natural de extrema importância, não apenas pela sua imponência, como também por ser uma área preservada de um dos biomas mais ameaçados das Américas, a Mata Atlântica.

Na mesma ocasião terá início a oficina de registro audiovisual – com duração durante os dez dias de Fórum. A iniciativa será desenvolvida pelas equipes da Rede de Casas do Patrimônio do Iphan, junto a seus parceiros locais, e coordenada pelo músico e produtor cultural André Magalhães, juntamente com a equipe da TV Ufop, de Ouro Preto/MG, TV Casa Grande, de Nova Olinda/CE, e da Casa do Patrimônio de Pernambuco.

De Foz do Iguaçu, os jovens seguem, no dia 19, para a região que guarda a história da ocupação de uma vasta região do Brasil, da Argentina e do Paraguai – as Missões. A próxima parada será a cidade de Goiás, no dia 21, antiga capital do estado de Goiás, considerada um dos patrimônios mundiais mais importantes dentre os testemunhos urbanos da colonização portuguesa, nas regiões produtoras de ouro do interior do Brasil.

No dia 23, a caravana chega à Brasília, última etapa da viagem. A cidade será apresentada aos jovens em todas as suas facetas, contradições, belezas e desafios. No dia 24, à noite, eles se reunirão no auditório do Royal Tulip Brasília Alvorada, local de realização da 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, encontro anual promovido pelo Centro do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que se iniciará no dia seguinte, para a plenária final do Fórum.

Nesta noite, os participantes irão produzir um documento final e apresentar uma prévia do material produzido ao longo das oficinas nos dez dias de viagem. Aos projetos vencedores será entregue o Prêmio HI-Christina Cameron Youth Award in Brasilia, oferecido pelos Albergues da Juventude. Além disso, será inaugurada a exposição com os registros produzidos durante o Fórum. A noite se encerra com o espetáculo A Rua do Vídeo, d’Abanda (Fundação Casa Grande/CE).

Em 25 de julho, dia da abertura da 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, os trabalhos da oficina de audiovisual serão exibidos a todos os participantes. Será o momento no qual todos os jovens poderão apresentar ao Comitê suas questões, impressões e expectativas com relação às políticas de salvaguarda do Patrimônio Cultural na região em que vivem, e no mundo.

Participantes do Fórum Juvenil

Serão 27 representantes selecionados de cada um dos estados brasileiros e mais 18 provenientes dos países convidados de idioma português ou espanhol da América do Sul, África, Ásia e Europa. São eles Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Chile, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Portugal, Espanha, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e Timor Leste.

Com a exceção de Portugal e Espanha, a abrangência do encontro adota como base o conjunto de países que serão atendidos pelo Centro Regional de Formação para Gestão do Patrimônio, unidade de referência internacional reconhecida pela Unesco. O Centro está em fase de implantação no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro.

Além de estudantes, o Fórum congregará líderes comunitários, membros de associações vinculadas às localidades onde existem bens do Patrimônio Mundial e sócios da rede internacional de Albergues da Juventude.

Comitê do Patrimônio Mundial

O Fórum Juvenil do Patrimônio Cultural antecede a 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, encontro anual promovido pelo Centro do Patrimônio Mundial da Unesco, que será sediado em Brasília de 25 de julho a 3 de agosto. É a segunda vez que a capital brasileira recebe a Sessão. A primeira foi em 1988, um ano após o seu reconhecimento como Patrimônio Mundial.

A 34ª Sessão será uma reunião de 12 dias, ocasião em que mais de 180 delegações dos países participantes vão discutir sobre as novas candidaturas de inscrição na Lista do Patrimônio Mundial, além de analisar o estado de conservação e de risco daqueles que já são declarados Patrimônio da Humanidade.

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, é o atual presidente do Comitê do Patrimônio Mundial. Estima-se que cerca de 800 representantes de todos os países estejam em Brasília para a reunião.

Saiba mais sobre o Fórum Juvenil: http://www.patrimoniojovem.com.br/ .

Informações: (61) 2024-6194 ou 3226-8907, no Iphan/MinC; (61) 2106-3536, na Comunicação da Unesco no Brasil; e (61) 2024-2407, na Comunicação Social/MinC.

Brasília, recebe a 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO

São esperados 800 representantes de 187 países. Grupo avalia inclusão de patrimônios naturais, culturais e mistos em lista de proteção


Brasília, 20 de julho de 2010 – De 25 de julho a 3 de agosto, Brasília sediará a 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), encontro anual promovido pelo Centro do Patrimônio Mundial. A cerimônia de abertura, às 18h do dia 25 no Teatro Nacional, deve contar com a participação do presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, do atual presidente do Comitê do Patrimônio Mundial e Ministro da Cultura, Juca Ferreira, e da diretora-geral da Unesco, Irina Bokova. É a segunda vez que a capital brasileira recebe a Sessão. A primeira foi em 1988, um ano após o seu reconhecimento como Patrimônio Cultural Mundial.

Nos 12 dias de reunião, cerca de 800 representantes dos 187 Estados Partes vão analisar a possibilidade de inclusão de 41 itens na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco, como bens naturais, culturais e mistos, apresentados por 35 países. O grupo também vai avaliar o estado de conservação de 31 patrimônios que já conquistaram este reconhecimento, mas estão na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo e decidir se incluem nessa lista novos bens que necessitem de atenção especial.

Ao se tornar Estado Parte, cada nação assume o compromisso de identificar possíveis novos candidatos à lista de preservação e a proteger aqueles considerados Patrimônios da Humanidade. Ao todo, 148 países têm 890 bens na Lista do Patrimônio Mundial, 19 no Brasil, que não possui nenhum patrimônio em risco e deve ter avaliada este ano a candidatura da Praça de São Francisco, no município de São Cristóvão, em Sergipe.

Reuniões serão fechadas

As reuniões da 34ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO serão realizadas a portas fechadas e comunicados informarão as possíveis alterações na lista de bens ou nos critérios adotados pelo Comitê do Patrimônio Mundial.

Além de avaliar o estado de conservação dos patrimônios e a inclusão de novos bens na lista, o Comitê vai eleger seu novo presidente e deliberar sobre as propostas de caráter técnico apresentadas pelas delegações.

Os profissionais de imprensa credenciados terão espaço para trabalhar no centro de imprensa, instalado no saguão do Teatro Brasília, dentro do Hotel Royal Tulip Brasília Alvorada. Haverá estações de trabalho, conexão à internet e aparelho de fax.

Bens brasileiros na Lista do Patrimônio Mundial Natural

1. Parque Nacional do Iguaçu (PR)

2. Costa do Descobrimento (BA e ES)

3. Parque Nacional Serra da Capivara (PI)

4. Reservas da Mata Atlântica (SP e PR)

5. Parque Nacional do Jaú (AM)

6. Complexo de Áreas protegidas do Pantanal Matogrossense (MT e MS)

7. Áreas Protegidas do Cerrado: Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional das Emas (GO)

8. Ilhas Atlânticas Brasileiras – Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas (PE/RN)

9. Parque Nacional da Serra da Capivara (PI)

10. Complexo de Áreas Protegidas da Amazônia Central

Bens brasileiros na Lista do Patrimônio Mundial Cultural

1. Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto (MG)

2. Centro Histórico de Olinda (PE)

3. As Missões Jesuíticas Guarani, Ruínas de São Miguel das Missões (RS)

4. Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas do Campo (MG)

5. Centro Histórico de Salvador (BA)

6. Plano Piloto de Brasília (DF)

7. Centro Histórico de São Luís (MA)

8. Centro Histórico de Diamantina (MG)

9. Centro Histórico da Cidade de Goiás (GO)

Página oficial

http://www.34whc.brasilia2010.gov.br/

Mais informações

Daniel Hora, assessor de Imprensa do Iphan, pelos telefones 61 2024 6194 / 3226 8907 ou pelo email daniel.hora@iphan.gov.br

Adélia Soares, assessora de Imprensa do Iphan, pelos telefones 61 2024 6187 / 3326 6864 ou pelo email adelia.soares@iphan.gov.br

Marcelo Lucena, assessor de Imprensa do MinC, pelo telefone 61 2024 2407 ou pelo email marcelo.silva@cultura.gov.br

Victor Ribeiro, assessor de Imprensa do MinC, pelo telefone 61 2024 2416 ou pelo email victor.lopes@cultura.gov.br

Ana Lúcia Guimarães, assessora de Comunicação da UNESCO no Brasil, pelo telefone 61 2106 3536 ou pelo email ana.guimaraes@unesco.org.br

Incendio en el Parque Nacional Otuquis (Santa Cruz - Bolivia)


Un incendio que comenzó hace 15 días en Brasil y que se ha extendido hasta la frontera con Paraguay y Bolivia ha puesto en riesgo una reserva natural situada en este último país, informó hoy una fuente oficial.
El jefe de protección del parque nacional Otuquis (Santa Cruz, este Bolivia), Ronny Colombo, informó a Efe que el fuego se propagó hasta la zona tripartita conocida como Triángulo Dionisio Foianini, que comparten Bolivia, Brasil y Paraguay, y ya ingresó al parque.
"El día 20 (de junio) comenzó a entrar el fuego a nuestro territorio y hasta la fecha, el 70% del triángulo Dionisio Foianini está quemado. No tenemos ninguna posibilidad de combatir el fuego en esta época seca", aseguró el funcionario.
Según Colombo, algunos lagartos han muerto, en tanto que los animales más grandes han comenzado a huir del lugar.
Señaló que por el momento no se han reportado víctimas humanas porque el área afectada no está habitada, si bien alertó que si el fuego avanza, podría llegar hasta las zonas de actividad ganadera.
El parque, también conocido como Gran Pantanal Otuquis, tiene una superficie de más de un millón de hectáreas, alberga a 1.647 especies de plantas, 700 especies de mamíferos, 400 de peces y otras 1.100 de mariposas.
Además, el viceministro boliviano de Medio Ambiente, Juan Pablo Ramos, dijo hoy a los medios que los focos de calor por incendios en el país se incrementaron en 68% en mayo pasado con respecto al mismo mes de 2009.
Aseguró que su oficina trabaja para evitar el aumento de los focos de calor, sobre todo cuando comience la época de "chaqueos", que es una práctica de los campesinos bolivianos consistente en hacer pequeños incendios para ampliar las áreas de cultivo.
http://www.canalclima.com/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=33&Itemid=14

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Projecto português quer recuperar habitat dos anfíbios

Um projecto ambiental para recuperar habitats de anfíbios, como sapos ou rãs, está a ser desenvolvido em Portugal para preservar estas espécies. Os anfíbios ajudam a controlar insectos que podem ser vectores de doenças, como algumas espécies de mosquitos.

O habitat dos anfíbios está ameaçado devido à construção civil e à agricultura. O projecto do Centro de Investigação e Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade do Porto, tenta conservar e construir charcos para que estes animais sobrevivam e continuem a cumprir o seu papel na natureza.

“Os anfíbios têm uma grande importância nos ecossistemas porque fazem parte da dieta alimentar de muitas espécies” e o seu desaparecimento “iria impactar de forma bastante acentuada” toda a natureza, explicou José Teixeira, coordenador do projecto.

“Ao serem predadores importantes de invertebrados, nomeadamente de insectos, são para o homem auxiliares da agricultura e acabam por controlar vários insectos que são vectores de doença, como os mosquitos” já que se alimentam de larvas de mosquitos, nos charcos e “ajudam a controlar essas potenciais pragas”, explicou.

Com as alterações climáticas, as condições mudam o que pode ter consequências no surgimento de doenças menos frequentes. A DGS [Direcção Geral de Saúde] anunciou no fim-de-semana a investigação em Portugal de um caso provável de infecção por vírus do Nilo Ocidental.

“Há doenças transmitidas por vectores, essencialmente mosquitos, carraças e roedores. Esses vectores, com as alterações climáticas, ficam com condições mais favoráveis de proliferarem e as doenças que estão associadas podem tornar-se mais frequentes”, afirmou Filipe Duarte Santos, especialista nas questões do sobreaquecimento global.

Através do projecto de conservação de anfíbios, estão a ser identificadas zonas degradadas importantes para estes animais que necessitam ser recuperadas.

O passo seguinte é “fazer alguns acordos com proprietários no sentido de proteger esses habitats e depois dinamizar os locais do ponto de vista da educação ambiental” para que as pessoas comecem a perceber a sua importância.

“Estamos a identificar áreas onde possamos construir novos habitats para substituir aqueles que foram destruídos e identificar outros que possam ser preservados a médio e longo prazo, acima de tudo charcos ou lagoas, pequenas massas de água parada, importantes não só para anfíbios, mas também para outras espécies”, alguns répteis, aves aquáticas e plantas, salientou José Teixeira.

“No Mindelo conhecemos a presença de 12 das 16 espécies de anfíbios que existem em Portugal”, referiu.

Nesta zona, são conhecidas entre 20 e 30 lagoas: “Não teremos capacidade para actuar em todas, vamos fazê-lo em três ou quatro. Estamos no processo de construção de uma lagoa e em conversações para mais uma ou duas”.

Em Portugal, existem duas espécies de anfíbios que estão ameaçadas: a salamandra-lusitânica e um tritão.

Este projecto prolonga-se por dois anos e depois será realizado um trabalho de monitorização para seguir a evolução dos locais com intervenção.

A iniciativa, com um orçamento entre 130 mil e 140 mil euros, tem alguns parceiros, como o Oceanário de Lisboa ou a Agência Portuguesa do Ambiente.

Fonte: LUSA

domingo, 25 de julho de 2010

Recuperação do lince-ibérico: brevemente 1 ano que 16 animais chegaram ao Algarve


Reportagem da SIC sobre a recuperação do Lince-ibérico no Centro Naciuonal de Reprodução do Lince-Ibérico em Silves.

Programa de Guardaparques Voluntarios - Peru

Ante todo les hago llegar mi saludo cordial. Les escribo la presente con la finalidad de remitirles en archivo adjunto la TERCERA CONVOCATORIA ANUAL para el Programa de Guardaparques Voluntarios del Santuario Nacional Lagunas de Mejía a fin de que tengan a bien apoyarnos en su difusión entre sus contactos personales; así como en las redes y foros virtuales a los cada uno de ustedes pueda estar suscrito.
Agradeciendo de antemano la atención prestada y el apoyo que nos puedan birndar, me despido no sin antes reiterarles los sentimientos de mi estima personal.

CONVOCATORIA (.pdf)



Atentamente,

--
Marco Antonio Avendaño Ballón
Especialista en Recursos Naturales
Santuario Nacional Lagunas de Mejía - SNLM
Servicio Nacional de Áreas Naturales Protegidas - SERNANP
Ministerio del Ambiente - MINAM
Telefono Móvil: 51 - 054 - 95 9 921535
Arequipa - Perú

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Bruxelas concede 7,6 milhões a Portugal para programas ambientais

A Comissão Europeia aprovou hoje o co-financiamento de 210 novos projectos ambientais, no quadro do fundo europeu para o ambiente, no valor de 249,8 milhões de euros, cabendo a Portugal 7,6 milhões de euros, dirigidos a sete projectos.

O executivo comunitário anunciou hoje quais os projectos que decidiu co-financiar na terceira “vaga” do programa “Life+”, o fundo europeu para o ambiente 2007-2013, entre as mais de 600 candidaturas apresentadas por organismos públicos ou privados dos 27 Estados-membros.

Entre as candidaturas provenientes de Portugal, Bruxelas elegeu sete projectos, entre os quais quatro na área da Natureza, aos quais atribuiu um co-financiamento de cinco milhões de euros, a serem executados pela Quercus (dois), Universidade de Aveiro e Serviço do Parque Natural da Madeira.

Bruxelas decidiu ainda atribuir 1,6 milhões de euros a dois projectos no domínio da informação e comunicação, que serão desenvolvidos pelo Serviço do Parque Natural da Madeira e pelos Parques de Sintra – Monte da Lusa, e ainda 1 milhão de euros a um projecto em matéria de governação e política ambiental, da autoria do Laboratório Nacional de Energia e Geologia. Os custos totais dos 210 projectos ascendem a 515 milhões de euros, participando a UE com 249,8 milhões.

Fonte: LUSA

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Celebration de l’anniversaire des 10 ans de la Convention Europeenne du Paysage

CELEBRATION DE L’ANNIVERSAIRE DES DIX ANS
DE LA CONVENTION EUROPEENNE DU PAYSAGE
2000-2010
Nouveaux défis, nouvelles opportunités
Florence, Italie
Palazzo Vecchio, Salone dei 500
19-20 octobre 2010

Chère Madame, Cher Monsieur,

Je vous prie de trouver ci-joint la lettre d'invitation pour la Célébration de l'anniversaire des dix ans de la Convention européenne du paysage.

Vous voudrez bien trouver sur le site Internet du Conseil de l’Europe à l’adresse http://www.coe.int/Conventioneuropeennedupaysage  , dans « Actualité » (sur la droite):

– le programme provisoire de la Célébration ;
– un formulaire d’inscription en ligne à compléter avant le 30 septembre 2010 ;
– une liste d’hôtels disponible sur le site internet de l’Agence nationale italienne pour le tourisme ENIT. Vous êtes invité à procéder votre propre réservation.

Vous pouvez également contacter si nécessaire Mme M. Georges-Higgs, Assistante, Division du patrimoine culturel, du paysage et de l’aménagement du territoire, Tél. +33 (0)3 88 41 22 09, E-mail: maureen.georges-higgs@coe.int 

Je vous adresse mon meilleur souvenir.
Maguelonne DÉJEANT-PONS
Head of the Cultural Heritage, Landscape and Spatial Planning Division
Chef de la Division du patrimoine culturel, du paysage et de l'aménagement du territoire
Council of Europe / Conseil de l'Europe
E-mail: maguelonne.dejeant-pons@coe.int 

http://www.coe.int/EuropeanLandscapeConvention
http://www.coe.int/Conventioneuropeennedupaysage 

Tania BRAULIO
Directorate of Culture and Cultural and Natural Heritage / Direction de la Culture et du Patrimoine culturel et naturel
Cultural Heritage, Landscape and Spatial Planning Division/ Division du patrimoine culturel, du paysage et de l'aménagement du territoire
Tel. +33 (0) 3 90 21 51 55
Fax. +33 (0) 3 88 41 37 83
E-mail: tania.braulio@coe.int

Français
English

Parque Natural do Tejo Internacional tem apenas um Vigilante da Natureza


 O Parque Natural do Tejo Internacional (PNTI) foi classificado como área protegida desde o ano de 2000 devido à sua enorme riqueza natural, paisagística, patrimonial e cultural.

Com 26.484 hectares, esta extensa área conta apenas com um vigilante da natureza para o desempenho das funções fundamentais de fiscalização, monitorização e sensibilização ambiental, sem as quais não é possível proteger e valorizar este património natural.

A insuficiência de vigilantes da natureza no PNTI, à semelhança do que acontece em todas as áreas protegidas do país, é um convite à infracção ambiental e à degradação dos valores ambientais, paisagísticos e culturais existentes nesta área protegida.

Do lado espanhol, o Parque Natural Tajo Internacional, cujos limites são praticamente coincidentes com o PNTI e ocupa uma área semelhante - 25.088 hectares -, foi criado apenas em 2006. Apesar do reconhecimento da importância de proteger este património natural ter sido mais tardio, existem cerca de 23 profissionais para o desempenho das mesmas funções de vigilante da natureza. Esta situação demonstra bem o peso a que se atribui à conservação da natureza e biodiversidade em ambos os países.

O Ministério já veio afirmar que apenas prevê contratar cinco novos vigilantes da natureza para todas as áreas protegidas e recursos naturais do país, o que é claramente insuficiente. O Bloco de Esquerda considera que é fundamental reforçar estes profissionais e dotá-los dos meios logísticos adequados para o desempenho das suas funções.

Atendendo ao exposto, e ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda vem por este meio dirigir ao Governo, através do Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território, as seguintes perguntas:

1. Como justifica o Ministério que o Parque Natural do Tejo Internacional tenha apenas um vigilante da natureza?

2. Considera o Ministério que a insuficiência de vigilantes da natureza no PNTI coloca em risco a protecção dos valores naturais, paisagísticos, patrimoniais e culturais existentes?

3. Vai o Ministério reforçar o número vigilantes da natureza no PNTI e dotá-los de meios logísticos adequados? Quando prevê a conclusão deste processo?

Fonte: http://portalegre.bloco.org/index.php?option=com_content&task=view&id=378&Itemid=28

► Ver pergunta ao governo (.pdf)

► Notícia relacionada: http://www.a23online.com/2010/07/21/be-preocupado-com-parque-natural-do-tejo-internacional/

Há 40 anos que não se viam crias de abutre-preto a voar em Portugal

De Espanha vêm bons ventos. As duas crias de abutre-preto que estão a voar no Tejo Internacional deverão ser filhas de casais provenientes de uma colónia espanhola, que dista pouco da fronteira. Apesar de várias tentativas feitas no passado para trazer de volta a ave, em zonas como Barrancos ou a Malcata, só agora, passado 40 anos, é que o Aegypius monachus voltou a nascer em Portugal.

“Desta vez completou-se o ciclo de reprodução, as crias nasceram e já estão a voar”, disse por telefone ao PÚBLICO Samuel Infante da Quercus. Os abutres fizeram o ninho em azinheiras, colocaram o ovo, as crias nasceram e hoje já batem as asas. Um fenómeno que deixou de acontecer em 1970 devido à morte das aves, à desflorestação, e aos insecticidas usados no campo.

Mas não foi um processo sem dores. Três casais tentaram estabelecer-se cá. Os ninhos dos abutres-pretos são feitos em azinheiras, que têm que ter um porte grande para suportar o peso da estrutura. “Os casais escolheram as árvores maiores, mas mesmo assim não aguentaram totalmente”, disse o ambientalista, explicando estas árvores ainda são relativamente novas. Um dos três ninhos caiu, e o casal não conseguiu reproduzir-se. Os dois outros casais colocaram o ovo, mas os ninhos ruíram parcialmente durante o mês de Junho, já com as crias nascidas.

“Os ninhos são de grande dimensão [pesam centenas de quilos] e devem ser casais jovens que não têm muita experiência a fazer o ninho”, disse Samuel Infante. As crias caíram durante o acidente e a Quercus teve que intervir, levou uma delas para o Centro de Estudos e Recuperação de Fauna Selvagem de Castelo Branco por estar em estado crítico. No lugar dos ninhos, a associação construiu plataformas-ninho para as famílias, que continuam a habitar as árvores.

“Quando há sucesso reprodutor, se não acontecer nada, os casais vão manter-se no território e vão reproduzir-se normalmente”, explica o ambientalista, o que abre portas para o aparecimento de uma nova colónia naquela região.

A Quercus vai construir mais plataformas e mantém naquela zona dois alimentadores onde são colocadas carcaças para alimentar estas aves necrófagas. Um dos problemas em Portugal é que desde o aparecimento da doença das vacas loucas é proibido deixar-se carcaças no campo. O que diminui o alimento dos abutres. Paralelamente há um projecto internacional organizado também pela Quercus para combater a utilização de veneno no campo, que terá um impacto positivo na vida dos abutres.

Quanto às duas crias, Tejo e Aravil, foram marcadas com um emissor no final de Junho e podem ser monitorizadas. Quando abandonarem os ninhos vão viajar. “Nos primeiros anos voam pela Península Ibérica e depois podem voltar ao local de origem.” Portugal.

Fonte: Publico.pt

Environmentalists from brazil and uganda win award for conservation leadership


ENVIRONMENTALISTS FROM BRAZIL AND UGANDA WIN 2010 NATIONAL GEOGRAPHIC/BUFFETT AWARD FOR CONSERVATION LEADERSHIP

A Brazilian husband-and-wife team of conservationists who have created a 5,000-acre protected forest reserve and a Ugandan conservation manager who supervises all the protected areas and wildlife reserves in his country are this year's winners of the prestigious National Geographic Society/Buffett Award for Leadership in Conservation.

Vitor Osmar Becker and Clemira Ordoñez Souza, who established the Serra Bonita Reserve Complex in Brazil, receive the award for leadership in Latin American conservation; John Makombo, a chief conservation area manager with the Uganda Wildlife Authority, wins for leadership in African conservation.

They will receive their $25,000 prizes at a ceremony at the National Geographic Society in Washington, D.C., on Wednesday, June 9. Established through a gift from the Howard G. Buffett Foundation, the awards acknowledge the winners' outstanding work and lifetime contributions that further the understanding and practice of conservation in their countries.

"It is an honor to participate with National Geographic in recognizing two remarkable individuals who have made personal sacrifices for the benefit of their countries," Howard Buffett said.

Becker received his Ph.D. in entomology, focusing on the study of Lepidoptera (butterflies and moths). He spent his career in this field, authoring more than 100 publications and amassing one of the largest collections of neotropical moths in the world. Souza, a school teacher, met Becker in 1968 when he was working at the Instituto Biológico in São Paulo. They married the following year.

While carrying out field work throughout Latin America, Becker witnessed firsthand the rapid and drastic destruction of natural habitats. He concluded that there was no point in preserving pinned specimens in museum collections if nothing was being done to preserve the species in nature. For Becker — and Souza — this meant preserving habitats for conservation, biological research and environmental education. Since Becker retired in 1997 as research scientist with the Brazilian Ministry of Agriculture, he and Souza have dedicated their lives to conservation.

The Atlantic Forest is one of the most diverse biomes in the world and the most destroyed in Brazil — only 8 percent of its original forests remain. Becker and Souza decided to establish a reserve in this region and settled on the Serra Bonita Mountain. Serra Bonita not only had very high diversity, but also had species not previously known to the Atlantic Forest. Additionally, most of the mountain was still covered with forest (nearly 50 percent pristine), and there was no other sample of cloud forest preserved in the region.

Using their retirement benefits and savings, Becker and Souza began buying land in 1998, one piece at a time. By mid-2001, nearly 50 properties had been purchased, amounting to over 2,500 acres. As the project expanded, they created the Uiraçu Institute, an NGO, and eventually established the larger Serra Bonita Reserve Complex. Today this protected area covers nearly 5,000 acres.

The reserve houses a research center composed of six laboratories, two collection rooms, an auditorium, a library and a preparation room. Also on the reserve is a lodge to accommodate scientists, students and ecotourists, and more than 6 miles (10 km) of trails.

John Makombo studied environmental science and natural resource management at Makerere University before joining the Uganda Wildlife Authority as a park warden. He is now a chief conservation area manager for all of the national parks and wildlife reserves in Uganda.

Early in his career Makombo spearheaded the protection and restoration of the mountain ecosystem and biodiversity of the Rwenzori Mountains National Park. He focused on community involvement and anti-poaching operations and promoted sustainable resource harvest and watershed management, thus ensuring the local population supported conservation. Building on these experiences, he implemented a landscape concept for Semliki Wildlife Reserve and nearby Semliki National Park as a single conservation area management unit. This concept of park management is now widely used throughout Uganda, in seven conservation areas comprising 10 national parks and 12 wildlife reserves plus a number of community wildlife areas and sanctuaries.

In Bwindi Impenetrable National Park, home to half the world's mountain gorillas, Makombo worked to change the perception of the local communities of the gorillas and their habitat. He led conservation education crusades to educate the community about the importance of gorilla protection, designed and implemented community conservation projects and developed tourism activities. Using his community networks, he secured a 1.6 square-mile (4.2 square-km) buffer zone on the southern part of the park where the mountain gorilla was viewed negatively due to its crop-raiding behavior, thus saving part of the population of this critically endangered primate.

He also looked beyond Uganda's borders, serving as president of a cross-border coordination committee for Virunga National Park (Democratic Republic of the Congo), Volcanoes National Park (Rwanda) and Mgahinga Gorilla National Park (Uganda), to improve forest conservation and gorilla protection in the three countries. His efforts led to a comprehensive tripartite government agreement that has resulted in a transboundary collaborative arrangement to protect this important landscape.

Makombo also secured support for elephant conservation at Murchison Falls National Park from the International Fund for Animal Welfare that saw the design and establishment of problem animal interventions that greatly controlled crop destruction by elephants and set the stage for improved community attitudes toward the conservation of elephants.

He also spearheaded the design of a climate change and oil impact monitoring project for the Rwenzori Mountains and the Albertine Rift respectively, which gained support from the MacArthur Foundation.

National Geographic Society/Buffett Award recipients are chosen from nominations submitted to the National Geographic Society's Conservation Trust, which screens the nominations through a peer-review process.

"This year's awardees are recognized for their outstanding leadership and the vital role they play in managing and protecting the natural resources in their regions. They are inspirational conservation advocates, who serve as role models and mentors in their communities," said National Geographic Fellow Thomas Lovejoy.

Dedicated to the conservation of the world's biological and cultural heritage, the Conservation Trust supports innovative solutions to issues of global concern and encourages model projects that engage and inform their areas' local populations.

Howard Buffett is president of the Howard G. Buffett Foundation, which focuses on humanitarian and conservation issues. An agriculturalist, businessman and widely published photographer, Buffett is also a member of the Commission on Presidential Debates, serves as a United Nations Ambassador Against Hunger for the United Nations World Food Program and is a member of the National Geographic Society's Council of Advisors.

http://press.nationalgeographic.com/pressroom/index.jsp?cid=1276005081089&pageID=pressReleases_detail&siteID=1

NOTE: Photographs of the awardees are available at the following ftp site:
http://ftp.nationalgeographic.com/pressroom/buffett_award/
Username: press Password: press

EDP tenta lavar a cara com proposta de criação de parque natural Sabor/Tua


O Partido Ecologista “Os Verdes” considera que a proposta apresentada pela EDP de criação do Parque Natural Sabor/Tua, como forma de compensação à construção das barragens não passa de uma hipocrisia gigantesca e de uma tentativa da empresa de “lavar a cara” perante as acusações de crime ambiental que “Os Verdes” e outras entidades, nomeadamente as associações ambientalistas deste país, têm vindo a fazer.

Com a construção das 2 barragens hidroeléctricas no Rio Sabor e no Rio Tua (esta última ainda não adjudicada), dois rios de grande valor ecológico inseridos e geradores de ecossistemas riquíssimos e de uma riqueza paisagística ímpar, pela sua diversidade e especificidade, a EDP irá consumar dois dos mais graves crimes ambientais dos últimos anos que afectarão mortalmente a biodiversidade e erradicarão paisagens únicas da região transmontana que a natureza e o homem demoraram séculos a desenhar e que, estas sim, mereceriam classificação.

Com esta proposta, a EDP visa também, através do novo regime de gestão das áreas protegidas, passar a ter um controlo determinante em toda a área que ficaria abrangida por este Parque Natural. E por muito que a EDP refira que a gestão desta área seria entregue a uma agência de desenvolvimento, a sua dependência do financiamento da EDP ou a possível quota que a EDP teria nessa agência, permitiria esse controlo territorial. Controlo que a EDP passará ainda a ter, não só no território, mas também nas actividades, através da Lei da Água em toda a zona de influência das albufeiras, nomeadamente no leito e nas suas margens.

Para “Os Verdes” não existem dúvidas: os Parques Naturais são figuras que foram criadas para classificar e proteger ecossistemas ricos, diversificados, únicos e autênticos onde os homens e a natureza vivem em harmonia. As áreas criadas pelas albufeiras não entram nestes critérios, são áreas artificiais, pobres em biodiversidade onde muitas vezes predominam as espécies exóticas e de paisagens uniformes iguais a muitas outras no país. Esta proposta da EDP adultera os próprios conceitos de zonas que merecem ser classificadas. A EDP tenta servir-se destes conceitos para os seus fins próprios e não para os fins de conservação da natureza para os quais eles foram criados.

Para “Os Verdes”, não existem também dúvidas que esta proposta visa dar continuidade à campanha de branqueamento dos crimes ambientais da EDP, que começou com a campanha denominada “Sinta a Energia”, “Agora Viva a Energia”, que o PEV denunciou como uma das maiores mentiras do ano, no dia 1 de Abril, e da qual os cidadãos se lembram pelos concertos debaixo de água, pelas canções alusivas à beleza dos espelhos de água ou ainda pelos inúmeros spots publicitários espalhados por todo o país. Uma campanha cujos custos elevadíssimos são pagos pelos portugueses que têm das tarifas eléctricas mais elevadas de toda a Europa.

“Os Verdes” consideram ainda que todo este empenho e necessidade da EDP em “esverdear” a imagem das barragens, são a prova cabal que a luta que o PEV e outras associações, movimentos e muitos cidadãos deste país têm travado contra o Programa Nacional de Barragens, e nomeadamente contra a Barragem do Tua e Sabor, tem-se sustentado em argumentos verdadeiros e justos e que estes têm recolhido ecos favoráveis nas populações da região.

“Os Verdes” não se deixarão enganar com esta proposta e tudo farão para que a EDP não leve a cabo os seus planos para a bacia do Douro.

O Partido Ecologista “Os Verdes”

Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
(T: 213 919 642 - F: 213 917 424 – TM: 917 462 769 - imprensa.verdes@pev.parlamento.pt )
http://www.osverdes.pt/

Selvagem Grande, a ilha das cagarras e dos Vigilantes da Natureza


Não tem uma árvore, nem água doce. As gentes da Madeira iam caçar aves marinhas e pescar a este pedaço de terra no Atlântico, que agora é reserva natural. Rochedo apenas, como diz Espanha, ou ilha, como diz Portugal? A maior expedição portuguesa de sempre às ilhas Selvagens esteve a inventariar a biodiversidade e foi também uma afirmação de soberania.

Agora que acabaram de tomar o pequeno-almoço no alpendre da casa encravada no sopé da Selvagem Grande, com vista para a baía das Cagarras, estão preparados para subir a encosta quase a pique da ilha e continuar o trabalho que os trouxe até aqui.

Avançam escarpa acima, uma parede castanha árida que, num repente, brota mais de 100 metros do mar como o dorso de um animal marinho, com cabeça e cauda mergulhadas na água. Paulo Catry segue na dianteira, chapéu e mochila às costas, Ana Almeida de lenço na cabeça e também mochila, e pelo trilho íngreme delimitado por pedras, ziguezagueando como equilibristas, cruzam-se a cada passo com os principais habitantes da ilha - as cagarras, aves marinhas, migradoras admiráveis.

Daqui elas têm vista privilegiada: os ninhos que fizeram nos buracos na escarpa escancaram-se para um azul imenso. Ao longe, a 11 milhas, podem aperceber-se de um pedaço de terra tão esborratado que mal se distingue entre o mar e o céu, a Selvagem Pequena, apenas com 20 hectares e 49 metros de altitude máxima. Ao lado, mais pequeno ainda, fica o ilhéu de Fora.

E lá em baixo, deparam-se com a rampa que permite o desembarque de botes entre os rochedos na Selvagem Grande, com a casa dos dois vigilantes da natureza sempre presentes, os únicos habitantes humanos, mais a única casa privada da ilha uns metros acima na falésia - e, nos últimos dias, com um cenário nunca antes presenciado.

Há agora um colorido de tendas no terreiro em frente à casa dos vigilantes e no pátio da casa privada, além de estendais com roupa dos 19 recém-chegados à Selvagem Grande, ilha do arquipélago da Madeira. Desembarcaram no fim de Junho por uma semana para inventariar a fauna e a flora marinhas (na semana anterior, fizeram o mesmo na Selvagem Pequena).

Sem telemóveis, sem Internet, sem água doce para tomar banho ou uma praia, e sem um produto muito desejado por quase todos - queijo, que viria a protagonizar uma peripécia -, os cientistas vieram vasculhar a ilha, desde o topo do planalto até aos cinco metros de profundidade, passando pela zona entre marés. Podem sempre contentar-se em pôr um postal no marco de correio no alpendre da casa dos vigilantes, com carimbo das "Selvagens, Portugal" (vai é demorar até ao destino, uma vez que os vigilantes são rendidos a cada três semanas e é nessa altura que levam a correspondência num navio-patrulha até ao Funchal).

Indiferentes aos passos de Paulo Catry e Ana Almeida, as cagarras chocam os ovos. Enquanto um dos elementos do casal permanece no ninho, o outro viaja durante uma semana no mar alto à procura de alimento. Depois ficam juntos alguns dias e revezam-se.

É pelas cagarras que os cientistas caminham pela encosta abrupta - esta manhã, mais uma vez. Sem se deterem nos ninhos do varandim panorâmico, dirigem-se para as que optaram por se instalar no topo da ilha, mesmo no centro.

Nova paragem, agora numa parte mais plana do trilho, quase, quase no topo, uff. Avistam-se os três navios da expedição que assentaram arraiais ao largo deste pedaço de terra, e que representam três tempos da descoberta e exploração dos oceanos pelos portugueses: a Vera Cruz, réplica das caravelas dos Descobrimentos, da Associação Portuguesa de Treino de Vela; o veleiro Creoula, construído nos anos 30 como bacalhoeiro na Terra Nova e agora ao serviço da Marinha; e o navio oceanográfico Almirante Gago Coutinho, também da Marinha, equipado com tecnologias do século XXI, de que o Luso, veículo não tripulado que mergulha até aos seis mil metros, é a estrela principal.

O que faz tanta gente nesta ilha e à sua volta? Em terra e no mar, mais de 70 cientistas inventariam a biodiversidade marinha, naquela que é a maior expedição científica às ilhas Selvagens, 163 milhas náuticas a sul da Madeira e apenas 82 a norte das Canárias. O extremo sul de Portugal é aqui. A pergunta é: porquê uma expedição às Selvagens e não a outro sítio qualquer?

As cagarras são a expressão mais visível da biodiversidade das Selvagens (e audível, dirá quem dorme nas tendas). Ou não albergasse a Selvagem Grande a maior colónia mundial desta ave do tamanho de uma gaivota - desde o final de Fevereiro, quando chegam as primeiras para a época de nidificação, até Novembro, quando partem as últimas.

A equipa de Paulo Catry, de 42 anos, ornitólogo do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), em Lisboa, estuda-as há cerca de sete anos. Por vezes, vira-se na escarpa e explica o seu trabalho, uma oportunidade para quem o acompanha recuperar o fôlego. "Há cinco anos contámos todos os ninhos de cagarras, por isso sabemos que os casais que nidificam na ilha são 30 mil."

É também possível saber o número aproximado de cagarras na Selvagem Grande porque lhes têm posto anilhas (serão, assim, mais de 60 mil). "Como têm uma taxa de sobrevivência elevada, a maior parte já foi anilhada. Há aves cuja idade é superior a 30 anos."

Nesta história há um nome incontornável: Paul Alexander Zino, ornitólogo de origem inglesa natural da Madeira, que luta pela preservação das cagarras das Selvagens. Participa na primeira expedição científica multidisciplinar: em Julho de 1963, o director do Museu Municipal do Funchal traz às Selvagens um grupo de cientistas europeus e, quando regressa ao Funchal, Zino quer salvar as cagarras.

Nesses tempos, são um pitéu: apreciadas na Madeira pelos pescadores, organizam-se campanhas sazonais de recolha das crias na Selvagem Grande. Espalmadas, salgadas e secas ao sol, armazenam-nas em barricas que seguem para a Madeira. Numa campanha anual, podem matar-se 20 mil juvenis. Os adultos são poupados, senão esta actividade económica acabaria. Nada se desperdiça: das penas fazem-se colchões e até os excrementos se aproveitam como adubo.

As Selvagens são na altura propriedade privada: concedidas a quem se distinguiu nas conquistas além-mar, em 1904 acabam por ser vendidas pelos herdeiros ao banqueiro madeirense Luiz da Rocha Machado. Por oito mil escudos, ou 40 euros.

Na última caçada, que parte do Funchal em Setembro de 1967, o declínio das cagarras é tal que já só se apanham 13 mil. Nesse ano, Zino compra a licença de caça por alguns anos, quer que a colónia recupere. Tem também autorização do proprietário para construir a primeira casa da Selvagem Grande, como apoio ao estudo das cagarras, que o filho de Zino, médico e ornitólogo, ainda mantém.

As anilhagens começam a partir de 1968, com Zino, entre outros ornitólogos portugueses e franceses. Ele defende que as Selvagens sejam uma reserva natural e, em 1970, negoceia a sua compra pelo Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF), associação internacional de defesa da natureza. Mas, em 1971, o Estado português prefere comprá-las - por 1500 contos, ou 7500 euros (450 mil euros, no valor actual). Nesse ano, são classificadas como reserva natural.

Não restam muitas aves anilhadas nos primeiros tempos, porque em 1976, na ilha até aí sem vigilantes, há uma matança indiscriminada de adultos e crias. "Alguém veio anilhar cagarras em 1976 e, em vez de milhares, encontrou menos de uma centena", recorda Paulo Catry.

Anos sem pisar terra

Vinte minutos de escalada e está-se finalmente no planalto. Não há uma árvore. A vegetação é rasteira ou limitada a tufos, o terreno pedregoso. O ponto mais elevado, o pico da Atalaia, a 163 metros, ostenta o farol. Tudo o que se ouve é o vento que assobia.

Mas encontra-se gente aqui - que tinha até agora os 245 hectares do planalto só para si. Hany Alonso, de 27 anos (do ISPA), e João Pedro Pio, de 22 (colaborador do Museu Nacional de História Natural de Lisboa), ornitólogo e biólogo, andam absortos com os ninhos.

No centro do planalto dispõem-se quatro muros de pedra, com ninhos numerados. Quando chegam Paulo Catry e Ana Almeida, de 30 anos, bióloga marinha, eles já vão no buraco 52 de um dos muros.

Os quatro, a equipa das aves na Selvagem Grande, continuam a ronda pelos ninhos. Há anos que acompanham perto de 400. "Verificamos se estão ocupados e por quem", explica Catry. "Estes muros são quase de certeza anteriores ao século XX. Não se sabe quem os fez, nem quando. Mas deixaram buracos para recolher os pintos."

Como um ritual, passam em revista cada ninho. Ajoelham-se, retiram a cagarra que choca um único ovo, tomam nota do número da anilha, verificam se é o macho ou a fêmea, cortam o pedaço de uma pena e marcam a ave com tinta. Na próxima ronda podem identificar logo se o ocupante é o mesmo e, se for o outro, repetir o ritual.

Querem saber tudo da vida dos bichos. "A sobrevivência, o sucesso reprodutivo, a fidelidade entre casais, a taxa de divórcio - esse tipo de trabalho", acrescenta Alonso.

O casal mantém-se junto para a vida? "Acasalam quase sempre com o parceiro do ano anterior. Há divórcios, mas a taxa é baixa, talvez da ordem dos três a quatro por cento ao ano", diz Catry. Para que querem a pena? "Para análise da composição química e de isótopos." Através da análise de formas de carbono e azoto, pode saber-se onde comem e o quê durante o Inverno. "Não é possível ter informação directa sobre a alimentação nas zonas de invernada, porque elas estão no mar alto", explica Alonso, que faz o doutoramento sobre a ecologia alimentar das cagarras, co-orientado por Catry.

Descobriu-se, através de receptores GPS nas costas das cagarras, que as das Selvagens vão alimentar-se muito longe durante a nidificação. "A maior parte vai à costa de Marrocos, a 400 quilómetros", diz Catry.

Terminada a época de nidificação, os adultos abandonam as Selvagens em Outubro, as crias em Novembro. As ilhas ficam então desertas de cagarras. Os adultos regressam no ano seguinte, mas os juvenis ficam no mar alto. "Só voltam a pôr o pé em terra firme ao fim de três ou quatro anos. Mesmo passados esses anos, estão aqui uma semana, a socializar e a conhecer o sítio, e vão-se embora. Só nidificam em média aos nove anos." Seleccionado o local de reprodução, é raro mudarem.

No Inverno, as cagarras das Selvagens vão até ao largo da África do Sul, mas podem ir até Moçambique e Madagáscar. Algumas, porém, ficam no Atlântico Noroeste, entre os Açores e os EUA.

A equipa de Catry seguiu a migração de 70 cagarras das Selvagens, com um aparelho na pata, e concluiu que têm seis áreas de invernada (além do Atlântico Noroeste, dirigem-se ao meio do Atlântico Sul e às correntes de Agulhas, de Benguela, do Brasil e das Canárias). Um dos juvenis fez algo extraordinário: "Em dois anos, visitou as seis áreas. Andou a explorar o mundo. Voou mais de 30 mil quilómetros por ano."

Nisto tudo, é hora de almoço. É a vez de o grupo das aves cozinhar para os 19 cientistas na ilha, mais aqueles que vêm e vão para os navios, e, por isso, há que descer à casa dos vigilantes. À noite, os quatro tencionam voltar a subir. Querem ter informação directa sobre a alimentação das cagarras. A coisa promete.

Caravelas da descoberta

Há que ter cuidado a atravessar o planalto. "A partir daqui é a colónia de calcamares." Zona interdita aos caminhantes incautos portanto, porque estas aves marinhas que andam sobre o mar, daí o nome, escavam os ninhos no chão arenoso. Só há esta subespécie nas Selvagens.

Desde a erradicação dos coelhos na Selvagem Grande, proliferam também os tufos acinzentados da Schizogyne sericea, planta endémica destas ilhas e das Canárias.

Pouco depois da descoberta das ilhas no século XV, os coelhos e as cabras são introduzidos na Selvagem Grande como fonte de alimento de quem a visita. O navegador português Diogo Gomes é o descobridor oficial, pensa-se que em 1438. Encontra-as com as suas caravelas quando regressa de uma viagem à costa africana, ao serviço do Infante D. Henrique.

Cedo começa a recolher-se urzela, um líquen que cresce nas escarpas, para tingir de púrpura tecidos e papel. Além das cagarras, a pesca e a salga de peixe são fontes de rendimento. Sobrevivem vestígios das tentativas de colonização humana, de que são exemplo os muros de pedra. A inexistência de água doce na ilha ditou o seu falhanço.

As cabras extinguem-se devido à caça no século XIX, mas os coelhos persistem até ao início do século XXI. No fim do século XIX também é introduzida a planta tabaqueira para lenha, mas atinge uma área tal que prejudica as aves marinhas. Está a ser erradicada (desde 2001, pelo que restam poucas), tal como uma outra planta invasora, a Conyza bonariensis.

O Serviço do Parque Natural da Madeira quer preservar os tesouros biológicos das Selvagens, de que é outro exemplo a osga Tarentola boettgeri bischoffi, subespécie que ocorre só nestas ilhas vulcânicas. O Governo Regional da Madeira tenciona recandidatar as Selvagens a património mundial natural da UNESCO (depois de a candidatura de 2002 ter sido retirada por falta de informação sobre a biodiversidade marinha) e esta expedição pode facilitar o processo.

Se até há muita informação sobre a biodiversidade em terra, com as cagarras entre as espécies mais estudadas, a vida neste mar mantém-se bastante desconhecida. Por isso, os cientistas têm batido as costas da Selvagem Grande na zona entre marés, à procura de algas, cracas, peixes nas poças...

Ao mesmo tempo, no Creoula, equipas de mergulhadores vão até aos 25 metros de profundidade recolher exemplares de fauna e flora, fotografar e filmar. Entre os afazeres obrigatórios para todos - limpar o navio ou ajudar na cozinha a escamar douradas e a lavar panelões -, cumprem-se cinco mergulhos por dia. Dispostos em tabuleiros no convés, os exemplares recolhidos são triados, identificados, preservados em frascos.

Entretanto, o Luso, da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC), também tem mergulhado até aos dois mil metros e trazido amostras biológicas, rochas e água.

Todos os dados, das equipas em terra e nos navios, vão sendo inseridos no M@rbis - Sistema de Informação para a Biodiversidade Marinha, desenvolvido pela EMEPC e o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade. O projecto pretende inventariar de forma exaustiva as espécies marinhas em Portugal.

Da passagem pela Selvagem Pequena, antes portanto de a expedição se mudar para a Selvagem Grande, encontram-se ecos no diário pessoal de Mónica Albuquerque, bióloga da EMEPC. "O dia promete ser animado, porque vem muita gente a terra e há o jogo de Portugal [com a Costa do Marfim]", escreve a 15 de Junho, acrescentando que, após o pequeno-almoço, as visitas começam a chegar para ajudar nas saídas entre marés e na recolha de lixo. "Chocou-me o facto de serem ilhas desabitadas, mas com muito lixo provocado pelo homem e que é lançado no mar chegando a destinos tão longínquos como este", anota. "De tarde, a vida em terra foi abalada com a chegada de 30 ou 40 pessoas para verem o jogo. Conseguiram mesmo trazer do Creoula uma televisão maior."

A noite dos vómitos

Voltando ao almoço preparado pelo grupo das aves, atum com batatas e ovo cozido vai ser servido numa mesa ao correr do alpendre na casa dos vigilantes. Por esta altura, já muitos andam desejosos de queijo.

A saga das bolas de queijo começou uns dias antes entre Mónica Albuquerque, em terra, e Manuel Pinto de Abreu, o responsável pela EMEPC, a bordo do Almirante Gago Coutinho. Quem estava no Creoula e na caravela Vera Cruz, que transportou cientistas até às Selvagens, também ouviu.

"Professor, do Gago Coutinho preciso de queijo", disse Mónica Albuquerque via rádio.

"Tenho aqui cinco testemunhas que carregaram as bolas de queijo. Não há mais queijo!", respondeu Pinto de Abreu.

"Vou pôr toda a gente à procura do queijo perdido", devolve a bióloga, que voltará ao assunto. "Professor, queremos queijo!"

"Vou telefonar para o Funchal para termos queijo à nossa espera", brinca.

Inglaterra vai jogar com a Eslovénia, e na televisão na sala ao lado da kitchenette na casa dos vigilantes vai poder ver-se o jogo, até porque aqui há painéis solares. Os cadeirões convidam.

Numa estante da sala guardam-se os diários da Selvagem Grande onde os vigilantes registam os pequenos nadas. "Terça-feira, 8 de Junho de 2010: dia dedicado a limpezas na estação, visto que amanhã está prevista a chegada de três embarcações com cientistas e outras pessoas para ficarem cá cerca de 20 dias. Ao fim do dia foi efectuada uma subida ao topo para ver se estava tudo bem e ainda arrancámos alguns pés de Conyza."

Cinco dias depois, a 13 de Junho: "[Na comunicação via rádio com a Selvagem Pequena] ficámos a saber que o [Almirante Gago Coutinho] ia para o Funchal reparar o robô submersível que tinha avariado."

Tinha-se partido a peça que permite determinar a posição do Luso em relação ao navio. Era um percalço menor face ao que viria a acontecer.

Depois do jantar, pelas dez da noite, a equipa das aves volta a subir a encosta para descobrir o que jantaram as cagarras. Na escarpa e no planalto, o sossego do dia deu lugar a uma chinfrineira desde as sete da tarde, quando as cagarras começam a regressar do mar. Fazem voos rasantes e ouvem-se entrecruzados os característicos gritos dos machos "au, au, au, hã".

Com uma lanterna no chapéu, Paulo Catry avança pelo escuro e apanha uma cagarra, que encandeou e que não pára de gritar. "Este, em princípio, é um novo reprodutor que veio do mar", diz Hany Alonso quando o recebe.

João Pedro Pio: "Como sabes que é um novo reprodutor?"

Paulo Catry: "Um macho adulto em reprodução não anda armado em parvo a meio da noite. Tem mais que fazer do que andar nas coboiadas da juventude. Os reprodutores podem dar dois gritos à entrada do ninho e vão lá para dentro."

Sentado no chão, com um tabuleiro e um garrafão de água salgada à frente, Alonso empurra um tubo pela boca da ave. Ana Almeida bombeia a água, até que o bicho vomita no tabuleiro o que parece um pedaço de lula. Com uma pinça, coloca-o num frasco com álcool, enquanto João Pedro Pio toma notas de tudo.

"Pronto, já passou", diz Alonso, enquanto submete outra cagarra ao mesmo procedimento.

Seis cagarras depois, finalmente uma lavagem ao estômago dá um resultado de jeito. "Há ali uma espinha", avisa Ana Almeida. "Olha, talvez carapau, talvez...", diz Alonso, que observa melhor. "É carapau quase de certeza."

Nesta ilha não há sossego? "Não!", atira Ana Almeida. "Há no Inverno. Deve ser uma tristeza", e ri-se.

"Uau, uma lula inteira", diz a bióloga marinha. "A pota-voadora é a espécie que mais aparece na dieta", explica Alonso sobre a lula em questão. "Disseste pota-voadora?! Que espectáculo!", comenta João Pedro Pio.

Doze cagarras depois, os vómitos forçados terminam. "Queremos perceber melhor o ecossistema deste mar profundo e pouco produtivo. Há pouca pesca, só ao atum", explica Catry.

Encosta abaixo à meia-noite, a iluminação do Almirante Cago Coutinho sinaliza que o Luso se encontra em operação. Está a terminar um mergulho a 615 metros, saber-se-ia depois, o quinto ao largo das Selvagens.

Na manhã seguinte, dia da visita já programada de Marcos Perestrello e Humberto Rosa, secretários de Estado da Defesa Nacional e do Ambiente, chega à Selvagem Grande a má notícia. O cabo de ligação do Luso ao navio cortou-se, perto das 11 da noite. O veículo, que já estava a 130 metros de profundidade, voltou ao fundo. Seria montada mais tarde uma operação de resgate (o que já ocorreu com sucesso).


Acto de soberania

Mesmo com este revés, vai começar um frenesim mediático. Ao início da tarde, aproxima-se da ilha das aves um helicóptero militar, que levanta uma nuvem de poeira no planalto onde pousa. Dele desembarcam também os chefes de Estado-Maior da Armada e da Força Aérea, o almirante Fernando Melo Gomes e o general Luís Araújo, e um batalhão de jornalistas. Da ilha seguem de bote para o Creoula, depois para o Almirante Gago Coutinho, há declarações de circunstância, sublinha-se a dimensão da expedição da EMEPC e a cooperação entre muitas instituições científicas, quer dar-se visibilidade política à missão, e ao fim da tarde quase todos os que vieram partem na ave metálica.

Expedição e visitas podem também interpretar-se como um acto de soberania. "Não foi essa a razão por que pensámos ir às Selvagens, mas não podemos dizer que o que estivemos a fazer não teve importância na afirmação da soberania. Teve com certeza", reconhece Pinto de Abreu. Entre os motivos principais da expedição está o M@rbis, acrescenta, que precisava de ser testado no terreno.

Aliás, em Julho de 2008, o El País publicava uma reportagem nas Selvagens, com o título O maior litígio, referindo-se aos cinco séculos de disputa por estes pedaços de terra. Apenas em 1997 Espanha reconheceu a soberania portuguesa, mas o conflito, lembrava o jornal espanhol, mantém-se quanto à delimitação da zona económica exclusiva (ZEE).

Em causa está a natureza das Selvagens. São meros rochedos, incapazes de suportarem habitantes humanos e uma actividade económica, como diz Espanha? Ou são ilhas, como defende Portugal? Como rochedos, a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 1982, estabelece que o Estado apenas tem direito às 12 milhas do mar territorial e a uma zona contígua, até às 24 milhas. Como ilhas, o Estado tem por exemplo direito a uma ZEE, que pode chegar às 200 milhas.

A distância entre as Selvagens e as Canárias é de 82 milhas, por isso Portugal defende que a delimitação da ZEE se trace a meio das duas - ou seja, a 40 milhas de cada uma. Esta proposta empurra a ZEE portuguesa cerca de 80 milhas mais a sul do que Espanha quer, refere o El País. Espanha quer que a linha seja traçada entre as Canárias e a Madeira, separadas por cerca de 245 milhas, o que traria a delimitação mais para norte. A pouco mais de 120 milhas da Madeira, que, recorde-se, fica a 163 das Selvagens.

"As Selvagens são ilhas de facto", afirma Pinto de Abreu. "Em determinada altura, eram fonte de alimento para a população da Madeira e havia um comércio associado às cagarras."

Só por motivos de protecção ambiental se acabou com esse comércio e estão habitadas pelos vigilantes, escrevia o jornal espanhol sobre os argumentos portugueses: "No dia em que se decidir povoá-las, poderia desenvolver-se uma actividade económica baseada no turismo ecológico. Se dúvidas restassem, pregaram uma caixa de correio na maior ilha para deixar clara a sua soberania."

Por agora, as Selvagens recebem 500 visitantes por ano, vindos sobretudo nos seus iates, e a ida a terra requer autorização do Serviço do Parque Natural da Madeira.

Afirmação ou não da soberania, na expedição na Selvagem Pequena e na Selvagem Grande os biólogos fizeram 100 mergulhos, houve 25 saídas de campo, apanharam-se mais de 3300 exemplares de fauna e flora,identificaram-se 900 espécies, há outras 700 por triar e uma imensidão de fotografias e vídeos. E, com as visitas governamentais, pôs-se fim a pelo menos um problema imediato. Mónica Albuquerque pediu um favor. As visitas não se esqueceram e trouxeram duas bolas de queijo.

Fonte: Publico.pt

Resposta do Governo à pergunta do PEV sobre as Lagoas temporárias no PNSACV

Para conhecimento de V. Exas., junto remeto cópia da resposta à pergunta dirigida ao Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território, sobre as “Lagoas temporárias do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina”, subscrita pela deputada deste Grupo Parlamentar, Heloísa Apolónia.
Com os melhores cumprimentos,
A Chefe de Gabinete

Natividade Moutinho


Ver resposta (.pdf)

As marmotas do Colorado estão mais gordas e a culpa é das alterações climáticas


Lembram-se do “Feitiço do Tempo”? O filme onde Bill Murray acorda vezes sem conta na Pensilvânia no dia de Fevereiro em que a marmota da localidade de Punxsutawney sai da toca para prever se o Inverno vai continuar nas próximas seis semanas. Um estudo publicado na Nature parece avisar que o clima faz com que os Invernos sejam mais curtos mais curtos, o que obriga o roedor a abandonar a toca mais cedo.

O trabalho durou décadas e analisou a Marmota flaviventis que vive nas Montanhas Rochosas do Colorado. Segundo o artigo, a população está a engordar e tem uma taxa de sobrevivência anual maior porque os indivíduos saem mais cedo da hibernação. O trabalho foi feito por uma equipa de investigadores norte-americanos e ingleses.

“Iniciámos esta investigação em 1962. Todos os Verões monitorizávamos os dados demográficos básicos, como a idade dos animais, o género, a massa corporal, quem sobreviveu e quem se reproduziu”, disse em comunicado Kenneth Armitage, professor da Universidade do Kansas. “Quando começámos, não tínhamos ideia nenhuma que as alterações climáticas iriam ser um problema”, acrescentou.

Entre 1976 e 2008, os Verões cada vez longos fizeram com que o tamanho médio da população aumentasse. O peso dos animais passou de 3,1 para 3,4 quilos. Além disso, a taxa de sobrevivência subiu de 0,56 marmotas por ano, entre 1976 e 2001, para 14,2 marmotas de 2001 para 2008.

“O aquecimento resultou num degelo das neves cada vez mais cedo, o que significa que as plantas aparecem mais cedo e as marmotas saem mais rapidamente da hibernação”, disse Armitage. “Elas têm mais gordura excedente, o que lhes dá mais energia para ir à procura de alimento”, explicou o cientista. Isto permite que comecem a reproduzir-se logo e as crias têm mais tempo para se alimentar e sobreviver ao Inverno seguinte. Mais importante é que as fêmeas que estão em idade reprodutiva sobrevivem melhor. “Ao poderem desmamar as crias mais cedo, têm uma temporada mais longa. A sobrevivência das fêmeas adultas tem aumentado nos últimos anos.”

Apesar de o número de roedores crescer, Armitage teme que este fenómeno seja sol de pouca dura. “O benefício [das alterações climáticas] vai durar pouco”, disse. “O padrão das neves beneficia e faz mal às marmotas. A neve prolongada durante a Primavera aumenta a mortalidade e reduz a reprodução. Mas se há menos neve a derreter que sacie as plantas que são o alimento das marmotas no Verão, isso vai afectá-las severamente. Durante as secas, tivemos uma mortalidade muito alta.”

Fonte: Publico.pt