quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Países africanos estão a construir muralha verde


Onze países africanos estão a desenvolver um plano ambicioso para proteger as terras aráveis do deserto do Sahara. O projecto, idealizado pelo Djibuti, Eritreia, Sudão, Chade, Níger, Nigéria, Mali, Burkina Faso, Mauritânia e Senegal, vai plantar várias árvores na região do Sahel e Sahara, criando uma Grande Muralha Verde.
Orçado em €1,8 mil milhões, o projecto começou a ser pensado em 2007 e terá 15 quilómetros de largura e 7.775 de comprimento ao longo do continente, do Senegal, na parte oeste de África, ao Djibuti, no leste.
A desertificação é um dos maiores problemas da África subsariana, podendo afectar até 40% dos terrenos desta região e expondo 500 milhões de pessoas às suas consequências nefastas.
Segundo o Quartz, a erosão da terra e decréscimo da chuva têm danificado os projectos agrícolas, exposto comunidades a riscos de saúde ligados às tempestades de areia e escassez de alimentos.
“A agricultura é mais fácil para nós. O gado pode morrer a qualquer momento e, se tal acontecer, estamos condenados a viver como nómadas”, explicou ao Quartz um habitante do norte do Senegal. “Com a agricultura não precisamos de nos mudar”.
A ideia original para esta parede verde partiu do antigo presidente nigeriano Olusegun Obasanjo, em 2005, e foi levada à União Africana em 2007. No entanto, é o Senegal que mais tem lutado para que o projecto vá para a frente.
O Banco Mundial garantiu o co-financiamento, assim como as Nações Unidas. Na recente Cimeira do Clima de Paris, o presidente francês François Hollande prometeu a doação de €1000 milhões por ano até 2020 para os esforços de anti-desertificação, incluindo este projecto.

Fonte: Green Savers

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

958 nuevos guardaparques preservarán parques nacionales


Con el ingreso de 515 nuevos guardaparques que este lunes se sumaron a las brigadas ecosocialistas, Venezuela ya cuenta con 958 cuidadores ambientales distribuidos por todo el territorio nacional, informó la vicepresidenta para el Desarrollo del Socialismo Territorial, Isis Ochoa.

"Son 515 nuevos ingresos de guardaparques en el territorio nacional. Sumado a un contingente de 443, da un total de 958, los cuales estarán en todos los parques nacionales, (para cubrir) un total en extensión del 16% de la población", indicó Ochoa en transmisión de VTV desde el Parque Nacional Waraira Repano, en Caracas.

Además, Ochoa apuntó que este lunes se graduaron 96 bomberos forestales, con lo cual son más de 200 los equipos de este tipo, abocados a la prevención de incendios. "Se están graduando 96 bomberos que, sumados a un contingente de 87, suman 207 equipos calificados, especializados, que estuvieron durante un año desarrollando su formación".

Sumado a esto, destacó la valía de la fuerza joven que también se abocará en acciones para el cuidado para el medio ambiente. "Son 2400 niños, niñas y adolescentes que están en todo el territorio nacional, junto con otras organizaciones de jóvenes ecologistas que vienen desarrollando un trabajo de brigadistas".

Es un contingente "de gente joven que ha venido a nutrir, a dinamizar a todo este batallón, que tiene como objetivo fundamental la pedagogía, la educación sobre el modelo ecosocialista y el resguardo de nuestra soberanía y nuestros territorios", resaltó la vicepresidenta.

Además de la formación de jóvenes para la protección del ambiente, el Ejecutivo Nacional ha invertido 700 millones de bolívares en los últimos años para la formación, dotación, infraestructura, herramientas tecnológicas y demás transferencias de recursos a los consejos comunales, para que promuevan el cuidado de las 144 áreas protegidas en todo el territorio./AVN


FONTE: Boletín Areas Naturales Protegidas y Guardaparques 165

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Colombia: El doloroso asesinato del líder del Casanare Daniel Abril


Defensor del medio ambiente, del agua, del territorio, de los derechos humanos en Casanare

Por: Movimiento Nacional de Víctimas de Crímenes de Estado |noviembre 16, 2015

Los hechos ocurrieron a las 6:40 p.m. del 13 de noviembre, a la altura del sitio conocido como La Virgen en su natal municipio de Trinidad (Casanare), exactamente en la silla de una panadería a donde llegaron y le dispararon, al parecer, fueron tres impactos de bala que cegaron su vida.
Un líder campesino, un llanero valiente y noble fue quitado del camino de los intereses de las multinacionales del petróleo, de los despojadores de tierra a quienes denunció, como a los corruptos del Estado a quienes señaló sin reservas.
Daniel Abril sufrió persecución constante: un intento de desaparición forzada por la policía y gracias a la intervención del Comité Cívico por los Derechos Humanos del Meta sobrevivió. Fue enjuiciado injustamente.
Participó en todas las protestas contra las petroleras, develando y denunciando los graves impactos de estas en la región.
En el año 2014 participó activamente en las audiencias públicas de Derechos Humanos y Medio Ambiente en Trinidad convocadas por el entonces Representante a la Cámara Iván Cepeda Castro.
Adelantaba con instituciones de Derechos Humanos denuncias contra Corporinoquía por su inoperancia y complacencia con las multinacionales petroleras que arrasan con el agua del Casanare, su directora Martha Plazas a quien le mostró pruebas; denunció a las autoridades por violaciones a los Derechos Humanos y era un referente de las víctimas en el municipio y en el departamento.
Hacía dos meses tuvo un incidente  con la ya temible  Brigada XVI del Ejército Nacional con sede en la Ciudad de Yopal.
Hacia parte de plataformas como la Voz de la Tierra, Movimiento Nacional de Víctimas de Crímenes de Estado, el Congreso de los Pueblos, del Comité Cívico por los Derechos Humanos del Meta y trabajaba mancomunadamente con la Corporación COSPACC y con la Corporación Claretiana NPB en defensa de la Ecología y los Derechos Humanos.
En este momento de dolor, nuestro acompañamiento sincero a su señora madre y señor padre, a sus hermanas y hermanos y a su hijo de 12 añitos.
SOLICITAMOS

Que la Fiscalía General de la Nación Investigue inmediatamente los móviles y responsables de este asesinato.
Al Ministerio del Interior cumplir con su deber de proteger a los ambientalistas, dirigentes y defensores de derechos humanos en el departamento del Casanare, de  la Cumbre Agraria y Campesina, Étnica y Popular.
Al gobernador del departamento realizar un consejo de Seguridad con presencia de delegados de organizaciones sociales para establecer el contexto en que se dieron los hechos.
A los organismos multilaterales ONU, OEA, UEU hacer seguimiento a las distintas denuncias realizadas por o en las que participó Daniel Abril con organizaciones sociales, a fin de que el Gobierno Nacional garantías para los ambientalistas y defensores de derechos humanos.
A la Defesaría Nacional del Pueblo realizar una alerta temprana y exigir al gobierno nacional la protección a los ambientalistas y defensores de derechos humanos.
A las organizaciones sociales ambientalistas y de derechos humanos del mundo, exigir al gobierno nacional la protección de la comunidad de los derechos humanos y ambientalistas en Colombia.


quinta-feira, 12 de novembro de 2015

El medio ambiente queda relegado a un rincón

Entre delitos medioambientales, leyes y reivindicaciones de todos los cuerpos regionales del país, empieza la labor del 'líder' de los agentes medioambientales, Rubén Cabrero
"La gente necesita seguridad, son los primeros que la necesitan.  La seguridad medioambiental es también muy importante en la seguridad ciudadanía"
Rubén Cabrero es ahora el nuevo presidente nacional de la Asociación Profesional de los Agentes Medioambientales. Tiene que suplir a otro castellano-manchego, Luis Díaz, quien se enfrentó a una de las situaciones más difíciles por las que ha pasado el colectivo, la instauración de la reforma de la Ley de Montes. Las cosas no son más fáciles para Cabrero, porque el medio natural no es todavía una prioridad para el Gobierno y las reivindicaciones propias del cuerpo no han perdido ninguna de sus complejidades. Natural de Segovia y treintañero, Cabrero asume la labor que sus compañeros le han dado con todas las ganas.
¿A qué te enfrentas al asumir este nuevo cargo?
Es complicado. Se abren negociaciones en Madrid en el Congreso de los Diputados antes de las elecciones, así que con el tiempo justo. Nuestro objetivo principal es conseguir homogeneizar nuestra imagen, porque dependiendo de cada comunidad tenemos diferente forma y diferente nombre. Sí, las competencias son autonómicas, pero la Policía Local, por ejemplo, depende de los Ayuntamientos y se llama igual en todas partes y el uniforme es muy parecido. Queremos una legislación básica de Estado que regule las competencias básicas de los agentes medioambientales.
¿Por qué es tan importante esta reivindicación para vosotros?
Hay demasiadas diferencias entre Comunidades Autónomas. Hay regiones muy fuertes, como Madrid y Cataluña, pero también hay otras en situación muy precaria, como Extremadura donde algunos compañeros están incluso sin vehículos.  Por eso pedimos el apoyo de las administraciones para que no haya diferencias.
¿Tan grave llega a ser la situación?
La situación no es la ideal en muchos casos, y para eso no hace falta irse más lejos que de Castilla-La Mancha, donde hemos perdido muchas cosas en los últimos cuatro años, y no sólo hablamos de pérdidas materiales, que es más grave en Extremadura. Nos han quitado competencias, en Castilla y León están reivindicando en los juzgados que se les retirara el arma corta. Es una batalla abierta para el colectivo.  Ante esto, nos tenemos que plantear soluciones que sirvan a todos los cuerpos, no  a uno en específico.
¿Cuáles son vuestras necesidades más graves?
Ahora mismo, la falta de convocatoria de oposiciones. Hay falta de personal en todas las Comunidades Autónomas, Madrid lleva doce años sin oposiciones, en Castilla-La Mancha, unos cinco años. El número cada vez desciende más, y entonces cada vez hay menos vigilancia, y está todo menos protegido. Y cada vez hay más gente que sale a disfrutar del medio rural, a hacer senderismo, a montar en bicicleta, a recoger setas... Esa gente necesita seguridad, son los primeros que la necesitan. La seguridad medioambiental es también muy importante en la seguridad ciudadanía.
¿Crees que se le dedica suficiente esfuerzo a la protección del medio ambiente?
Pienso que medioambiente se ve siempre relegado al rinconcito. Sí, primero debe ir la educación y la sanidad, el trabajo, pero el medio ambiente siempre se le deja en segundo lugar y lo hemos visto de forma histórica. Nuestro cuerpo no tiene dinero, presupuesto propio ni nada, siempre estamos con lo que las administraciones quieren darnos.
¿Qué consecuencias implica esto?
Más desprotegido está el medio ambiente y más descontrol hay en el entorno natural. Nosotros no podemos cubrir, ahora mismo ni la mitad de los servicios que deberíamos cubrir de vigilancia. Nos llegan denuncias de furtivismo durante la noche, pero no podemos tener turnos nocturnos, porque no nos alcanza el dinero. Es un ejemplo concreto de aquí de Castilla-La Mancha, pero que afecta a todos los agentes.
¿Aumentan los delitos medioambientales?
No, se han ido como estancando en general, pero sí han crecido en Castilla-La Mancha. El Fiscal señaló recientemente que entre 2010 y 2014 se había doblado el número de delitos de este tipo. La falta de vigilancia no significa que aumenten los delitos, sino que muchos de ellos quedan impunes, porque no llegamos a verlos.
¿Si la disposición del Gobierno cambiase, sería más sencillo prevenir catástrofes naturales?
Volvemos a lo mismo, sí. Si se abre la previsión de incendios, como acaba de anunciar el Gobierno de Castilla-La Mancha, evidentemente sería más fácil intervenir antes de tiempo. Y lo mismo ocurre en el resto de las Comunidades Autónomas, porque se puede limpiar montes, tener más efectivos.
¿Cómo juzgáis la actitud del nuevo Gobierno en Castilla-La Mancha?
Han sido muy dialogantes, y hemos presentado muchas propuestas de la Asociación que, no se han llegado a plasmar, pero la predisposición es mejor. Nos piden tiempo para solucionar sus problemas, pero lo vemos bien. En el caso de la Ley de Caza, ya se ha abierto un grupo de trabajo en el que se da cabida a todos los colectivos, no sólo a los cazadores, sino también a ecologistas o grupos que hacen uso recreativo del medio natural. Debe ser algo consensuado, no obedeciendo sólo a un criterio.
¿Cuáles son los puntos débiles del medio ambiente en la región?
Puedo enumerar tres: la Ley de Caza, el ATC y el fracking. Vemos que son polémicos y creemos que se debe atender a lo que digan los expertos. Nosotros reivindicamos, eso sí, lo que sea mejor para el medio ambiente.


Fuente: Eldiario.es

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Brasil: Guarda Parques Serra da Concórdia mais pobre!

Receita para o fracasso!

Hoje o Corpo de Guarda parques perde mais um de seus valorosos combatentes.

A total incapacidade do Estado em aprovar uma lei que cria o cargo de guarda parques somadas a falta de valorização dos profissionais leva ao esvaziamento intencional de um grupo vencedor onde todos os índices provam a efetividade do serviço visando num futuro próximo a terceirização do serviço que não será bom pra ninguém além das "empresas" de sempre!

Perdemos mais um profissional mas quem perde mesmo é a natureza e todos nós por culpa novamente da "VONTADE POLÍTICA" ou a falta dela!

Leonardo Guedes, que a nova jornada lhe traga novas conquistas!

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

The Prince of Wales applauds Declaration on PACC


The Prince of Wales applauds Declaration on Protected Areas and Climate Change

In August, 17 Latin American countries signed a Declaration to be presented at UNFCCC COP21 calling for the recognition of protected areas as natural solutions to climate change and committing to up-scale national and regional efforts to integrate protected areas in climate change strategies and include climate change criteria in protected area design and management.

This Thursday, October 29, HRH The Prince of Wales endorsed the Declaration at a high-level meeting on deforestation and climate change that took place at Lancaster House, London, hosted by the Prince's International Sustainability Unit (I.S.U.) and the UK’s Department of Energy & Climate Change. Amongst the participants at Lancaster House were the UK Secretary of State for Energy and Climate Change, the Rt. Hon. Amber Rudd MP; Ségolène Royal, French Minister of Ecology, Sustainable Development and Energy; Izabella Teixeira, Minister of Environment, Brazil; Mirei Endara de Heras, Minister of Environment, Panama; Tine Sundtoft, Minister of Environment, Norway and Robert Bopolo Bogeza, Minister of Environment, Democratic Republic of Congo.

“May I also take this opportunity to congratulate the Ministers from Latin America present for their recent 'Protected Areas and Climate Change Declaration', endorsed by seventeen Latin American countries, which calls for the recognition of protected areas, working hand in hand with indigenous peoples, as natural solutions to climate change”, said the Prince at the meeting earlier today. 

HRH’s support comes at a critical point in the run-up to COP21 in one month’s time, where the  Declaration on Protected Areas and Climate Change will be presented. The Declaration is an initiative led by the Latin American governments’ Protected Areas Network -REDPARQUES- with support of WWF’s Living Amazon Initiative (LAI).

“The RedParques’ Declaration is an excellent example of constructive collaboration across boundaries to tackle climate change. Signed by 17 Latin American countries, including 8 of the 9 Amazon countries, the Declaration offers the region and the world a natural and cost-effective solution to address climate change. The Prince of Wales’s praise today for the initiative taken by these countries will strengthen the declaration and hopefully encourage others to join”, says Sandra Charity, WWF Living Amazon Initiative leader.

The Declaration is one of several contributions the Amazon region is making to the ‘Amazon Conservation Vision’ developed by the Amazon countries under the Protected Areas Programme of the Convention on Biological Diversity (CBD – PoWPA).

For more information on the ‘Amazon Conservation Vision’ and the Protected Areas, Natural Solutions to Climate Change (NASCC) project, funded by the Federal Ministry for the Environment, Nature Conservation, Building and Nuclear Safety of Germany (BMUB), click here.
 
For more information on the COP21 events related to the Declaration click here and to read more on the Declaration itself click here.

The Prince of Wales Speech:


quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Apreensão de aves exóticas em Vila Real de Santo António


Na segunda-feira dia 12/10/2015, na Feira da Praia, em Vila Real de Santo António, ocorreu uma ação de fiscalização organizada e executada pelo Departamento de Conservação da Natureza e das Florestas do Algarve (DCNF-Algarve), na qual estiveram envolvidos 13 operacionais (5 Vigilantes da Natureza, 2 técnicos do ICNF-CITES, 4 militares da GNR, 2 Agentes da PSP) e um 1 técnico do DCNF-Algarve (Chefe de Divisão de Gestão de Operações e Fiscalização).
Desta operação resultou a apreensão de 10 aves exóticas protegidas pela convenção CITES que estavam expostas para venda, as espécies são:
2 Periquitos-de-dorso-vermelho  (Psephotus haematonotus),
2 Periquitos-rei-australiano  (Alisterus scapularis),
3 Roselas  (Platycercus eximius),
2 Pyrrhura (Pyrrhura molinae),
1 Princesa-de-gales  (Polytelis alexandrae),
Para além das aves, também foram apreendidas 6 gaiolas.
Foi elaborado o respectivo auto de contraordenação, devido à falta de autorização e registo CITES.
As aves e as seis gaiolas encontram-se ao cuidado do ICNF (DCNF-Algarve) – Parque Natural da Ria Formosa – Olhão.
APGVN

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Vigilantes da Natureza retiram armadilhas para a captura de passeriformes

Esta ação de vigilância foi efetuada na Praia de Faro, pelos Vigilantes da Natureza Silvério Lopes e Carlos Capela, a exercer funções no Parque Natural da Ria Formosa, para além das inúmeras armadilhas retiradas foram libertados 2 Piscos-de-peito-ruivo.
O pisco-de-peito-ruivo (Erithacus rubecula) é uma pequena ave que se conhece bem pela mancha alaranjada que lhe ornamenta o peito. É uma ave de canto melodioso e persistente.
As armadilhas vulgarmente conhecidas por esparrelas, costelas ou loisas, são construídas de arame nas quais se coloca um isco, geralmente formigas de asas.  As aves capturadas desta forma são para fins gastronómicos.
Os distritos de Faro, Porto e Lisboa são as regiões onde se registam mais casos de captura e abate ilegal. No Algarve destaca-se a captura para o petisco, em que o pisco-de-peito-ruivo e a toutinegra-de-barrete-preto são os que acabam mais frequentemente na frigideira.
A captura de aves silvestres, não cinegéticas, para cativeiro ou consumo é uma prática ilegal.
Esta atividade afeta a conservação da natureza e a perda destas aves torna a biodiversidade cada vez mais pobre.  
O decrescimento acentuado das espécies mais atingidas por este tipo de ações pode levar ao aumento significativo de pragas de insetos, dado que os passeriformes mais capturados são excelentes controladores naturais de pragas.
Temos a perceção de que há um longo caminho a percorrer para mudar as mentalidades dos Portugueses, mas, continuamos a tentar!
APGVN

domingo, 4 de outubro de 2015

União Europeia comprometeu-se a parar a perda de biodiversidade


Relatório da Comissão Europeia mostra que não estamos a fazer o suficiente para proteger a natureza

A União Europeia comprometeu-se a parar a perda de biodiversidade até 2020, mas o relatório de 2015 mostra que estamos aquém dos objetivos traçados. Os cidadãos estão preocupados com as consequências.
Os Estados-membros da União Europeia (UE) comprometeram-se, em 2011, a travar a perda de biodiversidade e da degradação dos ecossistemas até 2020. Já é possível identificar alguns progressos em domínios específicos ou em ações locais, mas os resultados da revisão intercalar da Estratégia de Biodiversidade da UE “sublinham ser necessário envidar mais esforços para cumprir os compromissos assumidos pelos Estados-membros em matéria de execução”. Esta orientação é reforçada porque os cidadãos reconhecem que a perda de biodiversidade tem impactos na saúde e bem-estar, mas também em termos económicos, como revela um estudo publicado também esta sexta-feira.
 Fórum Económico Mundial, em 2015, colocou a “a perda de biodiversidade e o colapso dos ecossistemas” entre os 10 maiores riscos globais. 
De forma geral, a perda de biodiversidade e a degradação dos ecossistemas é pior em 2015 do que era em 2010, quando a União Europeia estabeleceu estas medidas, refere o relatório. Esta é a tendência geral e terá implicações importantes nos serviços futuros que a natureza poderá prestar à humanidade. No entanto, o relatório refere que alguns exemplos localizados mostraram resultados positivos e exorta os estados a tornarem estas ações mais globais.
10 pontos a reter do relatório:
  1. 70% das espécies da União Europeia estão ameaçadas pela perda de habitat;
  2. O número de espécies e habitats que se mantiveram ou aumentaram o estado de conservação é apenas ligeiramente maior do que no último relatório;
  3. As espécies e habitats que já estavam em condições desfavoráveis assim o continuaram ou ainda pioraram;
  4. As zonas húmidas, costeiras e oceânicas e os ecossistemas agrícolas continuam a ser as áreas mais ameaçadas;
  5. Crescimento urbano, agricultura intensiva, abandono das terras, poluição, alterações climáticas, introdução de espécies exóticas, assim como sobre-exploração de recursos, nas florestas ou nos oceanos, são as principais ameaças à biodiversidade;
  6. A criação de uma rede Natura 2000 dedicada aos ambientes marinhos deve ser uma prioridade;
  7. São necessários mais esforços para garantir que as políticas agrícolas têm em conta a preservação da biodiversidade. Os exemplos locais mostraram as vantagens da práticas agrícolas sustentáveis;
  8. A área global das florestas aumentou na UE, mas o estatuto de conservação diminuiu, sendo necessário criar critérios para uma exploração florestal sustentável;
  9. Apenas 10% dos desembarques de pescado do mar Mediterrâneo e mar Negro vêm de stocks estudados e 90% dos stocks estudados continuam sobre-explorados;
  10. O único objetivo em vias de ser cumprir as metas para 2015 está relacionado com o controlo de espécies invasoras.
Os cidadãos europeus estão preocupados com a perda de biodiversidade
O Eurobarómetro dedicado à Biodiversidade publicado esta sexta-feira mostra que a maioria dos cidadãos portugueses e europeus “concorda totalmente” que têm a responsabilidade de cuidar da natureza e que se não o fizerem isso terá impacto na saúde e bem-estar, no desenvolvimento económico e nas alterações climáticas. Se incluirmos também os que “tendem a concordar” então temos a quase totalidade dos inquiridos a partilharem este tipo de preocupações.
Pelo menos metade dos cidadãos portugueses e europeus consideram“grave” ou “muito grave”a perda de espécies e de habitats e a destruição dos ecossistemas. A grande maioria dos inquiridos considera este assunto “sério” ou “muito sério” e estão razoavelmente bem informados sobre as maiores ameaçadas à biodiversidade. Mais grave é que dois terços dos inquiridos em Portugal (e quase três quartos na União Europeia) “nunca ouviram falar” da rede Natura 2000.
Rede Natura 2000 é… uma rede ecológica para o espaço comunitário da União Europeia que tem como finalidade assegurar a conservação a longo prazo das espécies e dos habitats mais ameaçados da Europa, contribuindo para parar a perda de biodiversidade, como explica o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.
Cerca de metade dos cidadãos portugueses e europeus concorda que: a UE deve “trabalhar em conjunto com outros países para incluir a proteção da biodiversidade nas políticas e acordos de comércio globais”, “encorajar as empresas a tomar medidas para reduzir o seu impacto na biodiversidade” e “introduzir requisitos de sustentabilidade obrigatórios para bens importados”.
A importância da biodiversidade em números, segundo a Comissão Europeia:
  • Um em cada seis empregos na União Europeia dependem em certa medida da natureza;
  • Os serviços de polinização por insetos valem 15 mil milhões de euros por ano na UE;
  • Os 5,8 mil milhões de euros gastos anualmente para manter a rede Natura 2000, correspondem a 200 a 300 mil milhões de euros ganhos no mesmo período em serviços de natureza;
  • A agricultura biológica cria mais 10 a 20% de empregos que a agricultura convencional;
  • Todos os sectores juntos podem perder 12 mil milhões de euros anualmente devido às espécies invasoras;
  • A perda de serviços de natureza pode equivaler a 7% do PIB mundial em cada ano.

Fonte: OBSERVADOR

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Vigilantes da Natureza 40 anos ao serviço da protecção da Natureza


Passaram-se 40 anos de existência de uma profissão que continua a crescer devido à dedicação e empenho de homens e mulheres que consagram a sua vida à defesa do ambiente.
Orgulho, coragem e persistência são as palavras que melhor definem estes verdadeiros guardiões da Natureza.


APGVN

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Nova Zelândia anuncia criação de grande santuário marinho

A Nova Zelândia anunciou esta terça-feira a criação, no sul do Pacífico, de um gigantesco santuário marinho, de mais de 620.000 quilómetros quadrados, onde estarão proibidas a pesca e actividades de mineração.

O santuário marinho das Kermadec compreenderá uma zona de superfície quase equivalente a França, situado em torno do arquipélago que leva o nome do navegante francês do século XVIII, a cerca de mil quilómetros a nordeste da Nova Zelândia.
«Esta é uma das regiões de maior diversidade do mundo no plano geográfico e geológico», declarou em comunicado o primeiro-ministro neozelandês, John Key, actualmente nos EUA para a Assembleia Geral da ONU.
Key citou a presença na zona do arco vulcânico submarino mais longo do planeta e uma das fossas oceânicas mais profundas.
O novo santuário é um refúgio para milhares de espécies, incluindo baleias, golfinhos, tartarugas e aves marinhas.
A decisão foi saudada pelas associações de defesa do meio ambiente, que destacaram que os santuários marinhos do Pacífico representam agora mais de 3,5 milhões de quilómetros quadrados.
Em Setembro de 2014, os EUA multiplicaram por seis a área do parque «Pacific Remote Islands Marine National Monument», que com uma superfície de 1,2 milhões de quilómetros quadrados no Pacífico é o maior santuário marinho do planeta.


Fonte: Diário Digital

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Entrega dos uniformes aos Vigilantes da Natureza do ICNF


Hoje, 25 de Setembro de 2015, na sede da Reserva Natural do Estuário do Tejo procedeu-se à entrega dos uniformes aos Vigilantes da Natureza do ICNF.
Vinte e cinco Vigilantes da Natureza, oriundos de todas as regiões do país, estiveram em representação do Corpo Nacional nesta cerimónia que revela o reconhecimento da tutela pelo excelente trabalho desenvolvido por estes profissionais na conservação da natureza.

Na entrega dos uniformes estiveram presentes o Secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza, Professor Miguel Castro Neto, o Vice-Presidente do Conselho Diretivo do ICNF, Eng.º João Pinho, a Vogal do Conselho Diretivo, Eng.ª Sofia Castel-Branco da Silveira, a Diretora do Departamento de Conservação da Natureza e das Florestas LVT, Dra. Maria de Jesus Fernandes, a Diretora do DCNF Algarve, Eng.ª Valentina Coelho Calixto e os representantes dos DCNF Norte, Centro e Alentejo.


APGVN

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Patos-reais envenenados na Ribeira de Belas


video


Dezenas de Patos-reais (Anas platyrhynchos) foram envenenados na Ribeira de Belas no troço de Queluz, por razões desconhecidas, até ao momento.
Os Vigilantes da Natureza a exercer funções no Parque Natural de Sintra-Cascais foram chamados ao local tendo recolhido um casal de Patos-reais com vida, após exame clinico executado pelos veterinários da Câmara Municipal de Sintra as aves foram libertadas na Ribeira de Colares.
O Rio Jamor nasce na serra da Carregueira, no concelho de Sintra, e vai desaguar no rio Tejo, na Cruz Quebrada. Toma o nome de Ribeira de Belas no troço inicial a montante da interseção com a ribeira de Venda Seca. O principal afluente da margem esquerda é a Ribeira de Carenque.
A Ribeira de Colares tem 14,3 km de comprimento, estendendo-se desde Chão de Meninos (a norte da Serra de Sintra, onde nasce, a uma cota de 250 metros), até à foz na Praia das Maçãs. A Ribeira de Colares é um dos habitats aquáticos existentes no Parque Natural de Sintra-Cascais onde o Pato-real é uma das espécies residentes.


APGVN

RESERVA RECUPERA MATA ATLÂNTICA E INVESTE EM EDUCAÇÃO


Brasília (14/09/2015) – A Reserva Biológica União, localizada no estado do Rio de Janeiro e "casa" do mico-leão-dourado, promove a erradicação de uma espécie exótica, o eucalipto Corymbia citriodora. A espécie foi introduzida numa área de 220 hectares quando o local era a Fazenda União, pertencente à Rede Ferroviária Federal, e ainda não abrigava a unidade de conservação.
Inicialmente, o eucalipto tinha como objetivo a produção de lenha, que era queimada nas antigas locomotivas movidas a vapor. Depois, quando as locomotivas passaram a usar óleo como combustível, o eucalipto passou a servir para a produção de dormentes das estradas de ferro.
Considerada importante, inclusive constando no decreto que criou a Rebio em 1998, a atividade de erradicação dos eucaliptos vem ocorrendo desde setembro de 2012, quando a empresa RRX Mineiração e Serviços Ltda venceu um leilão público e firmou contrato com o ICMBio para a retirada dessa espécie exótica do interior da unidade de conservação.
Avanços
De lá para cá, já se pode comemorar alguns avanços. A área está em franco processo de recomposição da Mata Atlântica, vegetação original. O investimento que garante as várias ações é feito por meio de vários projetos.
"Estão sendo investidos mais de R$ 6 milhões, advindos de parceiros como a Casa da Moeda do Brasil, em uma iniciativa voluntária, bem como via Furnas e Petrobras por força do cumprimento da legislação ambiental. O ICMBio não tem gasto um só centavo", comenta o chefe da Rebio União, Whitson José da Costa Junior.
Parte dos recursos entram por meio do projeto "Restauração Florestal com espécies nativas de Mata Atlântica em áreas degradadas da Reserva Biológica União (Rebio União) e Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) da CMB", da Casa da Moeda do Brasil.
Pelo projeto, a Casa da Moeda está plantando 205 mil mudas de árvores nativas em 130 hectares de área anteriormente ocupada por eucaliptos, objetivando compensar suas emissões de gases de efeito estufa.
A Reserva Biológica União foi procurada pela CMB para desenvolver o projeto devido à ocorrência na unidade de conservação do mico-leão-dourado, espécie de primata ameaçado de extinção e endêmico da região. O animal, aliás, motivou a criação da unidade e está retratado na cédula de R$ 20.
Outra empresa que está apoiando a recomposição da Mata Atlântica nas áreas de erradicação da espécie exótica é Furnas, por meio do projeto "Restauração Florestal com espécies nativas de Mata Atlântica em áreas antropizadas da Reserva Biológica União".
O projeto atende à condicionante da Licença de Operação n° 1.116/12, do Ibama, referente a linhas de transmissão LT 138 KV Anta – Simplício – Rocha Leão. A área que está sendo recomposta por esse projeto corresponde a 34 hetares.
A Petrobras, por meio do Projeto Executivo de Reposição Florestal, também participa do processo de recomposição da Mata Atlântica na Rebio em área onde erradicou-se o eucalipto, em cumprimento à condicionante da Autorização de Supressão de Vegetação – ASV nº 953/14 – Ibanma, referente à implantação do gasoduto Rota Cabiúnas. Esse projeto abrange 13,8 hectares.
Educação ambiental
Paralelamente a isso, a reserva vem desenvolvendo projeto de educação ambiental, voltado prioritariamente para as populações residentes nos municípios de Macaé, Rio das Ostras e Casimiro de Abreu (RJ). "Dotamos a unidade de conservação com a infraestrutura necessária para tal atividade, como Centro de Vivências, Sala de Exposições e Trilha Interpretativa", explica o chefe Whitson Junior.
Durante as visitas, estudantes podem conhecer de perto o bioma Mata Atlântica, sua riqueza de vidas e os serviços ambientais que ele proporciona. "Recentemente adaptamos a trilha interpretativa para as pessoas com necessidades especiais, constituindo uma das poucas trilhas em unidade de conservação voltadas para esse público", celebra Whitson.
Além da acessibilidade, a equipe de gestão da Rebio deu à trilha uma interpretação dos elementos naturais por meio dos órgãos dos sentidos. "Com isso pessoas com alguma deficiência, seja visual, auditiva, motora ou intelectual recebem a mensagem sobre o meio ambiente que estão conhecendo por meio dos órgãos dos sentidos", destaca o chefe da Rebio União. A trilha adaptada poderá também ser usada por visitantes, deficientes físicos, por ocasião dos jogos paraolímpicos de 2016 na cidade do Rio de Janeiro, frisou.
A Trilha Interpretativa Inclusiva do Pilão, como é chamada a trilha adaptada da Rebio União, foi motivada depois que o Instituto Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2000, pela primeira vez estimou o número de pessoas com deficiência no Brasil, cujo índice era de 14,5% da população.
Em 2010, esse índice saltou para 24% da população brasileira. A execução do projeto de adaptação da trilha foi possível graças a recursos de compensação ambiental destinados à UC pela Câmara de Compensação Ambiental da Secretaria do Ambiente do estado do Rio de Janeiro (CCA-SEA/RJ). A unidade conta com um plano de manejo e todas estas atividades foram previstas no documento de gestão.
Proposta de ampliação
No momento, está em curso uma proposta de ampliação da Rebio União. O processo se encontra tecnicamente concluído (foram realizadas, inclusive, as audiências públicas) e já recebeu o aval de várias instituições, conforme exige a legislação.
Com a ampliação, a área da reserva passará dos atuais 2.548 ha para 8.600 ha, mais do que triplicando o habitat do mico-leão-dourado, espécie que se tornou um dos símbolos da luta pela conservação da natureza no País.

Sandra Tavares
ascomchicomendes@icmbio.gov.br
Comunicação ICMBio

(61) 2028-9280


quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Acção de Fiscalização e Sensibilização para preservação dos valores Naturais


O ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas através do seu Corpo de Vigilantes da Natureza desenvolveu em colaboração com a Policia Marítima da Capitania de Sines uma acção de fiscalização ao campismo e caravanismo fora dos locais para tal destinados na área do PNSACV – Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, tendo a acção sido realizada nas praias do Malhão, Aivados e Ilha do Pessegueiro.
A acção decorreu entre as 06:30h e as 11:00 h do dia 28de Agosto de 2015.
Estiveram envolvidos na acção 3 elementos da Policia Marítima e  2 Vigilantes da Natureza do ICNF, tendo sido levantados 21 autos de notícia por campismo e caravanismo em violação com o disposto no plano de ordenamento do PNSACV.

Fonte: APGVN